Cientistas descobrem genes ligados ao bom rendimento escolar

Mapeamento genético de 1.674 pessoas mostra predominância de três tipos de genes naqueles que tiveram sucesso nos estudos

DNACientistas descobrem quais são os genes ligados ao bom rendimento na vida escolar (Comstock)

Uma pessoa atenta e persistente na escola pode ter um bom rendimento escolar, chegar à universidade e ter os melhores empregos e salários com uma boa qualidade de vida. Mas aquele que não consegue atingir os melhores níveis educacionais pode ter as raízes dessa dificuldade em seus genes.

De acordo com um estudo publicado no periódico Developmental Psychology, da Associação Americana de Psicologia, três genes estão ligados ao sucesso na vida educacional.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Dopaminergic Polymorphisms and Educational Achievement: Results From a Longitudinal Sample of Americans

Onde foi divulgada: revista Developmental Psychology

Quem fez: Kevin M. Beaver, John Paul Wright, Matt DeLisi, Michael G. Vaughn

Instituição: universidades de Cincinatti, Iowa, Saint Louis e Florida

Dados de amostragem: dados de 1.674 pessoas coletados em quatro fases, entre 1994 e 2008, quando os participantes estavam no ensino médio até a idade de 24 a 32 anos.

Resultado: Entre os que tiveram melhor rendimento escolar, a análise mostrou a  alterações em três genes: DAT1, DRD2, DRD4.

Pesquisadores das universidades de Cincinatti, Iowa, Saint Louis e da Florida coletaram informações de um banco de dados nacional feito com adolescentes norte-americanos, chamado de Add Health, e cruzaram as informações sobre rendimento escolar, nível escolar dos pais, conclusão dos estudos e análise genética.

Os dados mostraram que aqueles que tiveram melhor rendimento escolar apresentavam alterações em três genes.

Metodologia – O Add Health foi construído em quatro fases de coleta de dados, entre 1994 e 2008, quando os participantes estavam no ensino médio até a idade de 24 a 32 anos. Os estudantes e seus responsáveis responderam a questionários, foram entrevistados, e alguns aceitaram oferecer material genético para o banco de dados.

A pesquisa conduzida pelos pesquisadores para mapear os genes contou com os dados de 1.674 pessoas deste banco de informações. Entre os que tiveram melhor rendimento escolar, a análise mostrou a prevalência de alterações em três genes do sistema dopaminérgico (ligado ao desenvolvimento de processos cognitivos): DAT1, DRD2, DRD4.

Esses genes são os responsáveis por transportar e receber a dopamina – substância ligada ao prazer e à motivação. Por isso, são conhecidos por estarem ligados à atenção, ao comportamento violento, à capacidade cognitiva e à inteligência.

De acordo com Kevin Beaver, coordenador do estudo e professor de Criminologia e Justiça Criminal na Universidade Estadual da Flórida, a maior contribuição da pesquisa é mostrar que há essa relação entre os genes e o sucesso nos estudos, mas a maneira como isso ocorre ainda não está clara.

Segundo ele, outros aspectos externos também influenciam no rendimento escolar. “Há evidências de que a genética opera na inteligência, mas isso ocorre de modo indireto por meio da concentração, do comportamento e das habilidades de cada um”, disse Beaver.

O próximo avanço na pesquisa será analisar a relação entre esses genes e o ambiente, de acordo com o estudo.

Veja