Petista diz que não participará mais de sabatina a Ivo Gomes

Por Alan Barros

O vereador Guilherme Sampaio (PT) voltou, ontem, a criticar a postura de Ivo Gomes durante a sessão da última terça-feira e garantiu que, na próxima vez, não irá participar da sabatina ao secretário por acreditar que o titular da Secretaria Municipal de Educação (SME) sempre impede a realização do bom debate na Câmara Municipal de Fortaleza.

“A estratégia desenvolvida pelo secretário tem interditado o debate sobre educação que é o que interessa a esta Casa e ao povo. Pela segunda vez, tivemos a presença dele e tivemos uma reedição do que aconteceu. Ele fala cinco horas e é contestado pelo vereador em cinco minutos. Nas suas respostas, debocha e provoca até que haja uma reação” reclamou o petista.

Além de fazer queixas à postura do secretário, Guilherme Sampaio ainda voltou a questionar alguns dos dados apresentados pelo secretário. O vereador lembrou que, apesar de ter denunciado a carência de professores nas escolas públicas espalhadas pela Capital, Ivo Gomes assegurou que esse problema atinge apenas 0,5% das turmas do Município. Para o parlamentar, o percentual não corresponde à realidade. “Pronto, fez a conta, achou um número, inventa um número e a turma engole”, apontou.

Guilherme Sampaio ainda questionou o aumento no número de matrículas ao afirmar que esse crescimento não aconteceu uniformemente, como alega o secretário. “O grosso do aumento é exatamente do sexto ao nono ano. Foram onze mil, quinhentas e nove matrículas, tirando a creche que teve um aumento, porque a Prefeitura acabou com a creche em tempo integral”, frisou.

O líder do prefeito Roberto Cláudio na Câmara, vereador Evaldo Lima (PCdoB), rebateu o petista ao ressaltar que a gestão não adotava a estratégia do discurso fácil, mas colocava, em prática, ações importantes para mudar os rumos da educação na Capital.

“A gente está trabalhando a partir de uma realidade concreta. O secretário assumiu a pasta e, de imediato, deu início a ações extremamente importantes. Se o calendário do ano letivo não tivesse sido regularizado, as aulas sequer teriam começado. Pela primeira vez, os professores tiveram férias no mês de janeiro. Quero lembrar que apesar da Lei Orgânica exigir que os diretores de escola fossem escolhidos por seleção pública, isso não acontecia. Tudo era por indicação”, listou o vereador.

Evaldo Lima acusou a oposição de querer desviar o foco e fazer críticas “sem sentido” a figura do secretário Ivo Gomes. “Foram mais de 30 parlamentares e o secretário respondeu um a um dos questionamentos.O que há é um certo sentimento de distorção. Diante dos questionamentos diversos, o que se coloca é que há uma oligarquia no Estado. Que oligarquia é esta que tem ampla aceitação popular. A gente está falando do segundo deputado mais votado da Assembleia”, ressaltou o líder do prefeito.

Ainda na sessão, o vereador Adelmo Martins (PROS) chamou a atenção para a situação dos moradores de rua espalhados pela Capital e destacou um projeto de Indicação em que sugere a construção de um albergue no Centro como unidade de abrigo. “Têm mais de 100 pessoas vivendo na Praça do Ferreira e me preocupa que elas fiquem vulneráveis à violência”, alertou.

Já o vereador Fábio Braga (PTN) pediu a criação de uma grande campanha para conscientizar a população a não jogar lixo na rua. “Estou preocupado não só com a questão da beleza da cidade, mas também a questão das doenças. E a gente observa que pequenas chuvas, não é de hoje o problema, ocasionam alagamentos que vêm piorando ainda mais a mobilidade urbana e o trânsito. Você pode contratar um milhão de caminhões, mas se não houver conscientização da sociedade, vamos continuar com pontos de lixo”, pontuou.

O vereador Gelson Ferraz (PRB) mostrou sua preocupação de como a violência pode ser um obstáculo ao sucesso da realização da Copa do Mundo na Capital. “Então percebam o quadro que estamos tentando pintar aqui nesta manhã: estamos convidando pessoas do mundo todo para aproveitarem a nossa Capital e as praias do interior, sem qualquer preocupação com o legado negativo que a violência poderá trazer para Fortaleza, enquanto cidade turística”, esclareceu.

Vereador Fábio Braga fala do problema do lixo em Fortaleza:

Fonte: Diário do Nordeste