Escola de Londres proíbe alunos de usar gírias em locais formais

Alunos da escola de ensino fundamental Harris Norwood, em Londres, foram proibidos pela direção da escola de utilizarem gírias em “locais formais”, divulgou nesta quarta-feira (16/10) a mídia local. A regra determina que os jovens que utilizarem expressões como, por exemplo, “iae”, “tipo assim”, “né” (traduzão livre para “innit”) nas salas de aula ou em espaço compartilhado com funcionários da escola sejam punidos.


Cartaz colado nos muros da escola com expressões que os alunos devem evitar

A Harris Norwood produziu uma extensa lista com palavras “inapropriadas” e distribuiu aos alunos. Nos muros da escola, também estão colados dezenas de cartazes para “reelembrar os jovens do bom uso do idioma”. A iniciativa tem como objetivo, segundo a diretoria, alertar os estudantes sobre o uso da linguagem e “prepará-los” para situações formais como “entrevistas de emprego”.

“Eles precisam desenvolver a habilidade para competir por emprego e vagas na universidade. É muito importante saber se expressar com confiança e de forma apropriada em locais formais”, disse um porta-voz da instituição de ensino.

Embora controversa, a medida teve boa aceitação entre os britânicos. O único ponto da nova regra que causou espanto foi a proibição do “yeah” no “começo e no final” de cada frase. A expressão “yeah”, dizem os críticos da medida, faz parte da expressão popular e cultural do idioma.

Segundo informações do The Guardian, a regra contra gírias funciona desde setembro na Harris Norwood e já ganha adeptos ao redor do Reino Unido.

FONTE: operamundi.uol.com.br