Educar indígenas é desafio para escolas dentro e fora das aldeias

No Distrito Federal, escolas urbanas aprendem a conviver com demandas dessa população. Língua é uma das maiores barreiras entre alunos indígenas e redes de ensino convencionais

Priscilla Borges – iG Brasília

Na Escola Classe do Varjão, localizada na periferia de área nobre da capital federal, quatro novatos são a sensação entre os colegas. Pira Taporé, 13 anos, Kautsará Kaluaná, 12 anos, Tsikão Aumari, 9 anos, e Janawá Taujá, 6 anos, os irmãos Kamaiurás, são disputados por crianças curiosas em descobrir mais sobre os meninos indígenas que pouco falam português.

Ensino superior: Na UnB, indígena vence estatísticas e se forma em Medicina

Por um lado, o acolhimento dos alunos acabou com uma das maiores preocupações do pai das crianças, Wary Kamaiurá Sabino, e dos professores: o medo de preconceito. Matriculados desde fevereiro na escola, poucos foram os episódios de “estranheza” envolvendo os indígenas e os colegas. A curiosidade tem sido usada para promover a diversidade e o respeito.

 


Alan Sampaio

Kaluaná, Tsikão, Janawá e Pira Taporé estudam em escola urbana do Distrito Federal

 

Se a chegada dos novos alunos foi um susto, de início, para a escola, depois transformou-se em desafio e, agora, as professoras responsáveis por educá-los enxergam a presença dos indígenas como um estímulo. E um presente. Lucilene de Oliveira Campos e Dulce Ritter Contini brincam com a língua tupi-guarani para integrar os estudantes.

“Ainda sou aquela professorinha que quer buscar conhecimento, aprender. Estou muito feliz. A aula é uma riqueza”, conta Lucilene. É ela quem aprende as palavras e as histórias do povo Kamaiurá com o irmão mais velho, Pira Taporé, e repassa as informações a Dulce. Nas aulas, as duas apresentam palavras indígenas aos outros e preparam um dicionário português-tupi.

A boa vontade das professoras e o apoio do pai das crianças, que é professor, leva a experiência na escola de Brasília ao caminho certo. Mas revela que educar indígenas ainda levanta dúvidas entre os educadores, especialmente nos que estão distantes das aldeias. Um dos maiores entraves, como no caso das crianças Kamaiurás, é a língua.

Pira Taporé já superou parte da timidez, fala e entende bem o português. Os outros, mais tímidos, estão aprendendo as primeiras palavras. As professoras sabem que as formas de pensar e aprender dessas crianças são diferentes e lamentam a falta de preparo para atendê-los de forma mais adequada.

Reivindicação: Indígenas pedem melhorias na educação em audiência no MEC

“Não estou me sentindo aflita, porque criança aprende rápido. Mas me causa estranheza não termos gente do Ministério da Educação preocupada em saber quem está cuidando dessas crianças”, comenta Dulce, que tem experiência longa em alfabetização e é poliglota.

A coordenadora de Educação em Diversidade da Secretaria de Educação do Distrito Federal, Ana Marques, admite que as políticas ideais de atendimento a essas crianças ainda serão traçadas. “Essa é uma demanda nova e fluida, porque os indígenas não estão efetivamente fixados aqui, eles vêm e vão. Mas eles precisam de um tratamento específico”, diz.

Orientações próprias

Um dos pontos fundamentais para garantir uma educação de qualidade a essas crianças, de acordo com Ana, é garantir o respeito à cultura dessas populações. A coordenadora acredita que a formação inicial dos professores ainda falha nesse sentido, mas reconhece que as redes de ensino precisam dar conta dessas demandas independentemente das universidades.

No ano passado, orientações específicas para a educação indígena foram aprovadas. A resolução nº 5 de junho de 2012 determina que sejam desenvolvidos projetos que afirmem as identidades étnicas, valorizem as línguas indígenas e os conceitos próprios desses povos. Isso significa que os modelos pedagógicos não precisam seguir os moldes “urbanos”.

A resolução também normatiza o estabelecimento de “territórios etnoeducacionais”, que seriam os ambientes de aprendizado dos indígenas e contariam com a colaboração de Estados, municípios, da própria União, de comunidades indígenas e instituições de ensino superior para que as ações escolares contemplassem as necessidades desses povos.

Segundo o MEC, em 2012, a maior parte dos 234 mil alunos indígenas estava matriculada em colégios nas aldeias. Ao todo, 2.954 escolas atendem esses alunos no País, sendo que apenas 28.972 estão em escolas urbanas. Nas aldeias, quem dá aulas são professores indígenas (95%). De acordo com o ministério, de 2005 a 2011, 2,8 mil professores indígenas se formaram.

O pai das crianças matriculadas na escola do Varjão é um deles. Wary foi alfabetizado aos 16 anos e, depois de cursar o magistério, decidiu se graduar em Letras, fez especialização em educação escolar indígena, mestrado em Linguística (passou em primeiro lugar na seleção) e, agora, cursa o doutorado em língua indígena da Universidade de Brasília (UnB).

“O nosso povo entendeu que a escola não ia acabar com a nossa cultura. Aos poucos, a tribo se acostumou com a ideia, mas na minha aldeia não permitiram a entrada de professores brancos, que ensinassem o português. Meu sonho era conseguir esse nível de conhecimento para contribuir com o meu povo”, conta. Eles deixaram o Xingu para que ele estudasse.

O professor indígena acredita que as cobranças das redes de ensino ainda são baseadas nos modelos escolares dos “brancos” e não funcionam para os índios. “Se tem uma festa na aldeia, o cacique pede pra gente liberar as crianças da aula e ela continua depois. Os costumes são considerados parte do aprendizado. Para os brancos, não pode”, explica o futuro doutor.

28.972 crianças indígenas frequentam escolas urbanas. Foto: Alan Sampaio
1/9

Saudades X medo do desconhecido

Wary ficou preocupado com o aprendizado dos filhos em um “colégio de brancos”, mas decidiu encarar o receio para não sentir mais saudades dos meninos. “Até agora, eles só falam bem da escola, estou feliz e disposto a ajudar no que for preciso. O mais velho diz que está num intercâmbio”, brinca. Todos os dias, Taporé ensina algo de sua cultura aos colegas.

Levantamento da Secretaria de Educação do DF feito em 2012 sobre a situação desses estudantes mostra que, no Plano Piloto, centro da capital, havia 47 alunos indígenas matriculados em 16 escolas, nas mais variadas séries. Deles, 29 residiam no setor Noroeste, que abrigava uma aldeia, retirada do local para a construção de um novo setor residencial.

Agora, cursos de formação continuada sobre o tema serão dados pela secretaria. A estratégia final ainda será discutida com as escolas. “Essas populações foram historicamente excluídas e é preciso lutar para que as pessoas aceitem que eles têm a mesma capacidade que nós”, ressalta a coordenadora Ana Marques.

A secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do MEC, Macaé Evaristo, diz que a orientação é para que as famílias “auxiliem o processo de letramento que deve ser feito na língua que as crianças falam”. O MEC disponibiliza materiais didáticos em línguas indígenas, “que podem servir de suporte pedagógico com apoio da família” e encaminham as escolas para a UnB, que tem um renomado laboratório de línguas indígenas.

“É importante se fazer uma avaliação da realidade da fala dessas crianças e de suas famílias para se tomar uma decisão adequada a cada realidade. É um desafio que traz a oportunidade de muita reflexão e possibilidades de inovações pedagógicas na perspectiva de valorizar a diversidade sociocultural e promover uma aprendizagem significativa e contextualizada”, diz.

Dulce diz que seus alunos aprenderão o português até o fim do ano. “Eles aprendem rápido. Têm uma capacidade de concentração incrível”, conta.