O ensino fundamental e médio

Ivan Mendes – Advogado

O futuro de uma nação, em qualquer País do mundo, depende da educação de seu povo. Entretanto, os governantes, principalmente dos países em desenvolvimento como o Brasil, não têm a sensibilidade necessária para investir, prioritariamente, nesse setor. No Brasil, por exemplo, os estudantes do ensino médio foram os que tiveram o pior desempenho na educação brasileira, em 2011, obtendo a nota 3,7, no índice de desenvolvimento da educação básica-IDEB, medido pelo o Ministério da Educação.

Nove estados tiveram notas menores do que em 2009 e seis estados não saíram do lugar, sendo que o IDEB avaliou escolas públicas e particulares. Quando a análise leva em conta apenas as escolas públicas, a nota é menor, ou seja, 3,4. A situação do ensino fundamental é um pouco melhor e a nota chegou a 5 pontos, entre a 1a e a 4a série, registrando-se uma evolução, se comparada ao IDEB anterior.

Entre o 5o e o 9o ano, a nota é 4,1, quase igual a verificada em 2009, segundo foi divulgado em 14 de agosto de 2012. Os dados mostram que ainda há muito o que se fazer pela educação, não só nos níveis fundamental e médio, mas também no que se refere à educação de nível superior. Evidentemente, não faltam promessas de maior apoio para o seguimento educacional, porém tais propostas nunca são concretizadas e a prova incontestável são os números apresentados agora pela pesquisa do IDEB. Carlos Lacerda, ex-governador do extinto Estado da Guanabara, afirmou que “ antes de perguntar se um povo tem educação, pergunte se esse povo tem alimentação”. Depois de décadas, as duas questões ainda continuam como desafios para os governantes brasileiros, nas esferas Federal, estaduais e municipais.
Os políticos que exercem mandatos populares no Congresso Nacional, Governos Federal,estaduais, assembleia legislativas, prefeituras e câmaras de vereadores deveriam ter maior desempenho para solucionar o problema que continua ao longo dos anos. Infelizmente, pelo visto, os ditos homens públicos ainda não tiveram a capacidade de elaborar e implementar projetos e programas com a finalidade de mudar o atual cenário da educação. Enquanto isso sabemos que, para se ter uma educação com qualidade, é, igualmente, preciso que tenhamos professores com salários dignos, o que não ocorre nos dias atuais, haja vista as greves que são deflagradas nos três níveis de ensino.

O Estado CE