Guilherme Sampaio critica readequação do ano letivo de Fortaleza

Vereador do PT questiona decisão anunciada pela SME – Foto: Genilson de Lima

Apontando o posicionamento contrário da Comissão de Defesa dos Direitos da Educação à redução do ano letivo nas escolas da rede municipal, o vereador Guilherme Sampaio atentou para os esforços de vários parlamentares na garantia dos direitos dos alunos do Município. “As nossas crianças e adolescente não terão o direito de concluir os seus estudos de 2012”, declarou o petista.

Segundo o parlamentar, a Comissão, formada por Organizações Não-Governamentais (Ong’s) e representantes da sociedade civil, está mobilizando o Ministério Público do Estado acerca das especificações da Lei de Diretrizes e Bases da Educação. “Há um caos na escola pública, pois se desmontou todo o modelo de gestão”, apontou Guilherme Sampaio.

O vice-líder de Governo, vereador Didi Mangueira (PDT), defendendo a readequação no calendário escolar, atentou para os problemas de gestões anteriores. O parlamentar ressaltou que a medida da Secretaria de Educação vem atender um deficit do ano letivo dos último sete anos.

Em relação ao pronunciamento do vereador Capitão Wagner (PR), Guilherme Sampaio posicionou-se também contrário as mudança na Lei Orgânica do Município em relação a Guarda Municipal. As alterações, como ressaltou o parlamentar, tiram uma responsabilidade do órgão, que é a segurança do prefeito Roberto Cláudio (PSB).

Para o petista as mudanças prejudicam a autonomia do Município. “O Prefeito estará dependendo da força estadual. O que mas ficará nas mãos do estado?”, ponderou. Guilherme Sampaio citou também as adequações à Defesa Civil de Fortaleza em favor do Estado. “Não entendo que isto seja adequado ao Município, as ações de defesa civil já previa a integração com a Defesa Civil estadual”, atentou.

CMFor