SME busca diminuir prejuízos dos alunos, diz Elpídio

Vereador do PSB enaltece que prejuízos já foram causados pelas paralisações – Foto: Genilson de Lima

Na manhã desta terça-feira, 26, o vereador Elpídio Nogueira (PSB) iniciou uma discussão sobre o calendário escolar e a qualidade da educação em Fortaleza. Na tribuna da Casa, o parlamentar afirmou que, nos últimos sete anos, o ensino básico foi prejudicado com sucessivas greves de professores, e que devido a isso, as crianças perderam o equivalente a um ano.

A afirmação feita pelo vereador Elpídio, foi para argumentar com alguns parlamentares que questionam a redução do calendário escolar do Município. Segundo o vereador, a modificação no calendário foi proposto pelo Secretário de Educação, Ivo Gomes, como medida de minimizar alguns prejuízos à pasta, como a qualidade do ensino e o respeito às crianças que não estão tendo férias no mesmo período que as demais de escolas.

“Devido a crise instalada na educação, onde na prática os alunos não estão preparados como deveriam estar, pela qualidade da educação municipal, o secretário teve que tomar essa medida. Houve o compromisso dos 18 dias serem repostos em 2013 e será contratado professores para completar a carga horária. Já em 2014, as aulas vão começar no dia três de fevereiro como todas as outras escolas públicas e privadas”, explicou Elpídio.

Elpídio ainda relatou que a situação da educação em Fortaleza não é boa. Ele afirmou que foi identificado a falta de alfabetização, e informou, que a Secretaria de Educação irá fazer um estudo para saber o grau de educação, no que diz respeito a leitura do ensino básico.

Em aparte, o vereador Guilherme Sampaio (PT) disse que a justificativa usada pelo vereador Elpídio, de que a falta de absenteísmo no ensino básico seria motivo para a mudança no calendário escolar, não é plausível. Segundo Guilherme, na rede de ensino estadual o absenteísmo é de 11% e no Município é de 7,5% e nem por isso anunciam que há um caos na educação estadual.

Guilherme ainda disse que o maior interessado em resguardar o direito das crianças é o pai e a mãe, e por isso, eles deveriam ser ouvidos sobre a redução do calendário escolar. O vereador citou os pais de crianças matriculadas no ensino básico, porque segundo ele, a Rede de Pais e Mães de alunos de Fortaleza já protocolou um documento na Secretária de Educação, manifestando ser contrário a redução do calendário escolar e sugerindo outro, aproveitando ideias do Secretário Ivo Gomes.

CMFor