Universalização das creches nos EUA enfrenta resistências de Estados

Presidente Barack Obama defendeu programa para dar ensino de qualidade para todas as crianças de até 4 anos, mas críticos dizem que esforço pode ser desperdício de dinheiro

NYT

O apelo do presidente Barack Obama em seu discurso do Estado da União para “disponibilizar um ensino de alta qualidade a todas as crianças americanas na pré-escola” atraiu defensores que têm sustentado que a desigualdade na educação começa em uma idade muito jovem.

Aguardam-se que mais detalhes da proposta, mas ele indicou em seu discurso de terça-feira, 12 de fevereiro, que o governo federal iria trabalhar com os Estados para complementar os esforços em melhorar o ensino pré-escolar. Enquanto os apoiadores anunciam o plano como uma maneira de ajudar a nivelar o ensino para as crianças que não têm as vantagens de aulas de especialização, os críticos argumentaram que o fornecimento de um ensino universal pré-escolar poderia resultar em dinheiro federal desperdiçado em programas ineficazes.

Pesquisa: Boa pré-escola traz vantagens para a vida adulta

Defesa: Investir em creche dá mais retorno do que escola, diz Nobel de Economia

No ano letivo de 2010-11, o último ano para o qual há dados disponíveis, 28% de todos os estudantes americanos de quatro anos de idade estavam matriculados em creches financiadas pelo Estado, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisa da Educação Infantil. De acordo com Steven W. Barnett, diretor do instituto, da Universidade Rutgers, apenas cinco Estados, incluindo Oklahoma e Geórgia, tem um objetivo declarado de proporcionar vagas pré-escolares para todas crianças de 4 anos de idade. Embora cerca de 1,1 milhão de alunos estejam matriculados em programas financiados pelo governo federal e outros frequentem pré-escolas privadas, isso ainda deixa milhares de crianças sem acesso a este tipo de ensino.

 


NYT

Crianças ouvem histórias em creche da Aliança do Alabama para o Ensino Pré-Escolar, nos EUA

 

O plano do presidente chegou em um momento em que muitos Estados estão realizando pressão por um programa pré-escolar financiado pelo contribuinte.

No Alabama, por exemplo, o governador Robert J. Bentley, um republicano, solicitou um aumento de US$ 12,5 milhões – ou mais de 60% – no orçamento pré-escolar do Estado, com o objetivo final de aumentar o financiamento em 10 anos ao ponto em que cada estudante de 4 anos de idade teria acesso ao programa pré-escolar estadual.

A proposta do governador foi apoiada por uma coalizão de defensores da educação pré-escolar e líderes empresariais, que enxergam o ensino pré-escolar como um componente importante de preparação para o mercado de trabalho no futuro.

No Brasil: Rede privada avança mais que pública em creches

“Nós estamos tentando investir em uma força de trabalho que pode competir em 20 anos com outros Estados e outros países”, disse Allison de la Torre, diretora executiva da coalizão, a Aliança do Alabama para o Ensino Pré-Escolar.

Os defensores da educação infantil frequentemente citam pesquisas sobre os benefícios de longo prazo da pré-escola, realizadas por James J. Heckman da Universidade de Chicago e outros, em termos de índices de criminalidade reduzidos, menores taxas de evasão e rendimentos mais elevados entre aqueles que frequentaram a pré-escola.

 


NYT

Damien Fowler, de 4 anos, vai a escola no Alabama

 

Críticos disseram que o governo federal já testou um programa nacional pré-escolar como o Head Start, que se destina a ajudar a preparar crianças de baixa renda para a escola. Um estudo nacional patrocinado pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos realizado em 5000 crianças de 3 e 4 anos de idade em 84 programas locais encontraram alguns benefícios duradouros até a terceira série.

Mas analistas políticos disseram que o Head Start, que recebe cerca de US$ 7 bilhões em dinheiro do governo federal anualmente, é dificultado pelos padrões inconsistentes e os baixos salários dos professores, que são normalmente pagos menos do que educadores em escolas públicas.

Alguns analistas políticos disseram que um programa universal pode ser um desperdício de tempo e dinheiro e que o governo deveria focar em programas que visam aos alunos mais necessitados.

Em um relatório divulgado na semana passada pelo Centro para o Progresso Americano, uma organização de pesquisa de esquerda, estimou que o fornecimento de ensino pré-escolar para todas crianças de 3 a 4 anos de idade custaria cerca de US $ 98,4 bilhões em gastos federais ao longo de 10 anos.

NYT