Crescem dívidas com saúde e educação em Fortaleza

Pesquisa aponta que 67,1% dos consumidores de Fortaleza possuem algum tipo de dívida em fevereiro. O resultado está 9,7 pontos percentuais acima de janeiro (57,4%). Educação e saúde estão entre os itens que contribuíram

No mês de fevereiro, 67,1% dos consumidores de Fortaleza possuem algum tipo de dívida. O resultado está 9,7 pontos percentuais acima do verificado em janeiro (57,4%). Os dados são da Pesquisa do Perfil de Endividamento do Consumidor de Fortaleza, realizada pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC).

Segundo o economista Alex Araújo, o endividamento mostra uma significativa mudança de postura do consumidor que iniciou o ano consumindo mais e fazendo novas dívidas. A proporção de contas e dívidas em atraso também foi ampliada de 14,1%, em janeiro, para 17%, em fevereiro. O economista observa que um dos dados que estava sendo monitorado diz respeito a Classe C estar replicando o padrão de consumo da Classe A. “Há aumento de despesas com saúde e educação privada”, avalia.

Segundo Cid Alves, presidente do Sindicato do Comércio varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas), a dívida é positiva quando diz respeito ao consumo, já que tira pessoas da informalidade, mas o endividamento com saúde não é avaliado da mesma forma pelo empresário. “O Brasil tem um sistema público de saúde e nós pagamos a seguridade social, temos descontos na folha de pagamento, então esse endividamento é o pior que existe”, aponta.

Dívidas

O valor médio das dívidas apontado pelo levantamento é estimado em R$ 984 e o prazo médio apontado é de seis meses, comprometendo 28,7% da renda familiar dos consumidores pesquisados com o seu pagamento.

Os instrumentos de crédito mais utilizados pelos consumidores são: cartões de crédito, citados por 86,4% dos entrevistados; o financiamento bancário (veículos, imóveis etc.), com 10,1%; os carnês e crediários, com 9,7%; e os empréstimos pessoais, com 5,4% das respostas.

O consumidor utilizou o crédito para a compra de itens de alimentação (50% das respostas); artigos de vestuário (47,8%); eletroeletrônicos (40,4%); e a realização de despesas de educação e de saúde (25,9%).

“A roda da economia do mundo gira em função das dívidas, porque as pessoas podem contrair dívidas, o errado é dever mais do que o que se pode pagar”, declarou Cid Alves.

 

Veículos

Para Fernando Pontes, presidente da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave-CE) e diretor da CDA, revenda Fiat, o mês de janeiro foi o melhor em vendas dos últimos dez anos. “Mas com o impulso dado em janeiro, esse mês de fevereiro tivemos uma queda, também por conta do Carnaval, período que as fábricas param por dez dias”, justifica. As vendas de veículos em todo o Brasil costumam funcionar como um termômetro do consumo.

 

Quanto

 

ENTENDA A NOTÍCIA

Mensalmente, cerca de mil consumidores da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) são entrevistados pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC) para a realização desta pesquisa.

SERVIÇO

Para consultar dívidas e “limpar o nome”:

Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza

Rua 25 de Março, 882 – Centro

Telefone: (85) 3464-5506 –

Email: contato@cdlfor.com.br

Serasa Experian
Rua Pedro Borges, 20 – 11º andar – salas 1.101 a 1.104

Atendimento ao Consumidor de segunda a sexta, das 9h30 às 16h

O Povo