Pais viram a noite em fila para matrículas que começam hoje

Na Capital, o processo segue até o dia 18 de março, mas em várias escolas faltam vagas para atender à demanda

Na Escola de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) Parque Presidente Vargas, a fila começou a se formar logo na manhã de ontem para o preenchimento de 55 vagas. Ao meio-dia, mais de 50 pessoas já estavam no local FOTO: KID JÚNIOR

As matrículas para os alunos novatos da rede estadual de ensino começam hoje, em Fortaleza, e seguem até o dia 18 de março, quando se inicia o ano letivo. Em determinadas instituições da cidade, apesar do prazo, pais já se mobilizam para garantir as vagas dos filhos. Na Escola de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) Parque Presidente Vargas, no bairro homônimo, a fila começou a se formar logo na manhã de ontem para o preenchimento de 55 vagas.

O primeiro a chegar ao local, por volta das 7h, foi o estudante Pedro Ricardo Alves Batista, 13 anos. Ele era aluno da Escola de Ensino Fundamental Júlio César Costa Filho, no Alto Alegre, bairro onde mora com mãe. Como a instituição não dispõe de turmas para o 9º ano, o garoto teve de procurar outra instituição. Ao meio-dia, mais de 50 pessoas já estavam na fila.

“Estou guardando o lugar para a minha mãe. Ela ficou fazendo as coisas em casa e vem depois com os documentos. A gente vai passar a noite aqui para conseguir fazer minha matrícula. Vou ficar com ela, porque não tenho coragem de dormir sozinho”, declara, dizendo que gosta muito de matemática e quer estudar na escola Parque Presidente Vargas porque lá o ensino é de boa qualidade.

Quem também estava na fila para garantir a vaga do enteado era a dona de casa Dalvani Batista da Silva, 37 anos. Ela chegou em torno das 7h30 e disse que revezaria com o esposo à noite. Ontem, era o aniversário dela, mas, em vez de bolo, houve café e biscoitos disponibilizados pela escola para quem aguardava. “Estou comemorando aqui, mas é para uma boa causa. A gente só ouve falar bem dessa escola, é como se fosse particular. Aqui, os alunos têm toda a atenção e apoio”, elogia.

De acordo com a coordenadora da EEFM Parque Presidente Vargas, Adriana Nogueira, apenas 55 vagas estão sendo disponibilizadas neste ano. A escola conta com turmas do 7º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio e já tem cerca de 1.900 alunos matriculados. São cinco vagas para as turmas do 7º ano e 50 para as de 8°, 9°, 1º, 2º e 3º anos, sendo dez vagas destinadas para série.

Turmas

A coordenadora informa que, em 2013, foi preciso fechar as turmas de 6º ano para que houvessem vagas no 7º para os alunos da própria escola. Segundo ela, outras 25 vagas para este período letivo foram preenchidas por estudantes de uma escola municipal no bairro Aracapé.

“A gente sabe que uma sala de aula superlotada prejudica a aprendizagem. Mas, mesmo assim, no último Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), 24 alunos conseguiram ingressar em instituições de Ensino Superior. Neste ano, já estamos no limite e não temos condições de ofertar mais vaga”, declara a coordenadora, adiantando que a Secretaria da Educação do Estado do Ceará (Seduc) ficou de enviar profissionais à escola para organizar a matrícula.

Para o articulador da Superintendência das Escolas Estaduais em Fortaleza (Sefor), Thales Fernandes Oliveira, o que acontece na Escola Parque Presidente Vargas é algo pontual, pois existe espaço para todos nas 174 escolas do Estado situadas na Capital. “Às vezes, só existe uma escola na comunidade ou a instituição é referência e a procura é maior. Mas, quem não conseguir ser matriculado vai ser transferido para escolas próximas”, diz.

Para efetuar matrícula, os pais e responsáveis devem levar a cópia da certidão de nascimento e transferência ou declaração de escolaridade, além de pasta escolar e duas fotos 3×4. Os interessados deverão procurar a unidade de ensino de sua preferência para mais informações.

O processo de matrícula é composto de quatro etapas. Na primeira, há a confirmação dos alunos veteranos por parte de pais e responsáveis ou do próprio estudante sobre a sua permanência na escola. Em seguida, acontece o remanejamento de alunos entre as unidades da rede estadual. A terceira etapa é direcionada ao remanejamento externo, onde as redes estadual e municipais se organizam para atender à demanda.

Na Capital, a rede estadual receberá 12 mil alunos do município. A última fase é destinada aos alunos novatos.

RAONE SARAIVA
REPÓRTER

Diário do Nordeste