Ministério defende mudanças no piso nacional do magistério

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que o piso nacional do magistério, tal como foi aprovado, “tensiona” as contas dos estados e municípios ao longo dos anos. Ele defendeu uma solução conjunta entre governantes e docentes para valorizar o professor de forma compatível com as receitas estaduais e municipais no Brasil.

“Temos que ter crescimento salarial dos professores que seja sustentável, progressivo e compatível com os recursos orçamentários”, disse. Para ele, é importante que a questão seja resolvida ainda este ano. Entidades como a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) reconhecem que a lei que trata do piso precisa de ajustes e apresentaram propostas de alteração que estão em discussão no Congresso Nacional.

No caso do Ceará, se os educadores forem questionar com o excelentíssimo governador, acho que ele dirá mais uma vez: “Professor tem que trabalhar por amor!” e de quebra vai contratar a Ivete de novo para comemorar a seca no estado!

Fonte: DCI