Censo traçará perfil de 12.835 detentos no CE

O I Censo Penitenciário do Ceará lançado, ontem, será produzido com equipes de profissionais da Universidade Federal do Ceará (UFC) e Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) e ficará pronto em dez meses.

O objetivo é traçar o perfil sociológico da população penitenciária em regime fechado, que hoje totaliza 12.835 presos.

Os trabalhos de pesquisa junto aos detentos iniciam depois do período de Carnaval.  “Será um quadro realista da situação dos presos.

Vamos saber quem são, quantos são e como estão os detentos, hoje, encarcerados. A nossa proposta é fazer um perfil do preso”, disse  a vice-coordenadora do Laboratório de Estudos da Violência da UFC, Celina Lima.

O Censo será o primeiro, no Ceará, a traçar o perfil psicossocial dos detentos em regime refechado, lembrou Celina Lima. “Isso é para que possamos discutir a questão do trabalho e  da educação junto aos presos, como mediadores da reinserção social. Depois desse trabalho, estará formada uma ferramenta para políticas penitenciárias para todo o Estado”.

O Ceará tem hoje 17.843 presos, desses, 12.835 estão cumprindo pena em regime fechado (privados de liberdade). “O resultado do censo poderá dar embasamento científico para as políticas públicas na área”, disse a secretária da Sejus, Mariana Lobo. “Queremos entender a trajetória deles e pensar na reinserção social”, completou o reitor da UFC, Jesualdo Pereira Farias.

COMO SERÁ FEITA A PESQUISA
A pesquisa de campo para o censo deverá ser feita por equipes de alunos de Graduação e Pós-Graduação dos cursos de Psicologia e Ciências Sociais da UFC. Os grupos começam a trabalhar depois do Carnaval.  Em campo, os pesquisadores procuraram saber com os presos alguns pontos, como identificação e escolaridade.

Três pontos serão utilizados para traçar o perfil dos detentos. Serão analisados a vida antecedente do preso, a vivência dele dentro do sistema penal e as possibilidades de ser reinserido na sociedade pelo trabalho.

“Queremos trabalhar para que essa população carcerária não se torne reincidente, ou seja, que não volte para o crime, através de uma oferta de oportunidades”, disse a secretária. O Censo Penitenciário também será a porta para o começo dos trabalhos da Sejus no Centro de Triagem – um projeto também voltado para a área penitenciária.

O Estado CE