Prefeitos mais jovens do País são do Ceará

Pacheco Neto, prefeito de Chaval, tem 21 anos, e Divaldo Soares, prefeito de Viçosa do Ceará, 25 anos

Fortaleza Os dois prefeitos mais novos do Brasil são cearenses e filhos de ex-prefeitos. O mais jovem, 21 anos, é prefeito de Chaval, cidade no Litoral Oeste do Estado, na divisa do Ceará com Piauí. O segundo mais novo, com uma diferença de apenas quatro anos mais, é prefeito da cidade turística de Viçosa do Ceará, na região norte do Estado, também divisa do Ceará com o Piauí. O mais novo é Pacheco Neto, filho do ex-prefeito da cidade, Paulo Pacheco, e o segundo Divaldo Soares, filho do ex-prefeito Evaldo Soares.

O mais novo é Pacheco Neto, filho do ex-prefeito da cidade de Chaval, Paulo Pacheco, e o segundo Divaldo Soares, filho do ex-prefeito de Viçosa do Ceará, Evaldo Soares. Eles querem promover uma gestão inovadora

A nova geração de políticos começa a surgir depois de entrar em vigor a lei da ficha limpa, na qual ex-prefeitos não querem se apresentar para a população como alternativa para continuarem sendo o político principal.

Para o prefeito de Chaval, e estudante de Direito e Ciências Contábeis na vizinha cidade de Parnaíba, seu nome já era lembrando quando ainda era mais jovem. Porém, ele não podia concorrer ao cargo porque a lei não permitia em virtude da idade.

A prefeita que Pacheco Neto sucedeu era sua tia, Janaline Pacheco, que tinha direito à reeleição, mas não concorreu em virtude da preferência da maioria da população. De acordo com as pesquisas, recaia sobre o nome do sobrinho. Para que a liderança da família continuasse, o apoiou e hoje é o prefeito da “terra do sal”. Com ideias novas para a cidade natal, o novo gestor assegura que vai tentar atrair empresas para o município e qualificar os jovens que hoje se encontram na ociosidade à procura de trabalho.

Revitalização

Para ele, a cidade está localizada em um dos principais pontos de exportação e isso conta para a economia da cidade. Uma medida que vai tomar, segundo ele, será a revitalização do sal, que já foi a principal fonte de renda do município e hoje está quase paralisada, bem como a revitalização da mão de obra para aprimoramento da pesca, outra fonte de renda do município, como o peixe e o caranguejo.

Outro setor que terá o apoio do novo gestor será o turismo. Conforme ele, a determinação é elaborar projetos para que sejam apresentados junto à Secretaria de Turismo do Estado e o Ministério do Turismo. É uma forma de implantar um turismo sustentável para a cidade, já que dispõe de grandes rios ao lado da cidade e até o mesmo o Rio Poty, na cidade vizinha.

“Vamos fazer todo esforço para mudar a economia da cidade e aumentar sua economia”, assegura o gestor, que admite que vai transformar Chaval numa cidade digital, onde as pessoas possam se conectar com o mundo pela internet, aumentando o conhecimento da juventude local e de visitantes.

Na educação, admite que o município conseguiu, nos últimos quatro anos, grandes avanços. Mas pretende valorizar o professor, com qualificação e assegurando a melhoria na qualidade do ensino dos estudantes da cidade. Já na saúde, embora o município possua um grande hospital, o terceiro maior da região, os recursos repassados são insuficientes para o seu perfeito funcionamento, até porque atende outras cidades do Ceará, como Barroquinha e Granja, além de outras localidades litorâneas do Estado do Piauí.

Já no meio ambiente, Pacheco Neto aderiu ao consórcio de limpeza urbana, acabando como aterros sanitários.

Na região, o prefeito disse que o lixo de Chaval será beneficiado em Camocim, que vai receber também os resíduos das cidades de Barroquinha, Granja, Martinópole e Uruoca.

Qualidade

Já o prefeito de Viçosa garantiu que irá trabalhar em prol da melhoria da qualidade de vida da população. “Temos dificuldades em diversos setores, como saúde, emprego, mas garanto que vou trabalhar pelos 56 mil habitantes da cidade e vou fazer uma das melhores gestões que o município já teve”.

Edvaldo Soares ainda destacou que “vamos subir devagar, degrau por degrau, e atingir o que queremos, que é o bem para os moradores. A população pode ter certeza disto”.

Diário do Nordeste