38% dos servidores municipais têm apenas o ensino médio, aponta IBGE

Secretarias de educação são geridas, em sua maioria, por pedagogas.
Dados fazem parte do perfil dos municípios divulgado nesta terça (13).

Um levantamento sobre o perfil dos municípios brasileiros divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (13) mostra que 38% dos servidores públicos municipais possuíam somente o nível médio de escolaridade em 2011. Outros 32% concluíram o nível superior ou pós-graduação.

De acordo com o Perfil dos Municípios Brasileiros 2011, as regiões Norte (41,7%) e Nordeste (41,2%) tinham os maiores percentuais de servidores com ensino médio. Os níveis mais elevados de escolarização (superior e ou de pós-graduação) se concentravam nas regiões Sul, com 39,8%, Sudeste, com 36,8%, e Centro-Oeste, com 32,4%.

Ao avaliar os estados, Amapá (69,9%), e Roraima, (55,2%), apresentaram os maiores índices do pessoal ocupado com nível médio. O Distrito Federal, com 55,4%, e Santa Catarina, com 43,3%, detinham os mais elevados percentuais dos níveis superior e/ou de pós-graduação.

Gestores de educação 
As secretarias municipais de Educação são ocupadas, em sua maioria, por mulheres (70,6%) formadas em pedagogia (48,3%). Esse é o perfil médio do gestor da política municipal de educação apontado pelo estudo do IBGE.

Dos 5.205 gestores declarados com nível superior e/ou pós-graduados, 2.515 eram do curso de pedagogia. Segundo a pesquisa, o fato de o cargo ser ocupado por mulheres em sua maioria explica a escolaridade cada vez mais alta, já que nas últimas décadas as representantes do sexo feminino apresentaram maior escolaridade que os homens, que ingressam mais cedo no mercado de trabalho.

Em 52% dos municípios brasileiros há uma secretaria exclusiva para educação, enquanto que em 45,3% das cidades a secretaria municipal trata da educação em conjunto com outros departamentos, como cultura e esporte.

Para ler mais notícias de G1 Educação, clique em g1.globo.com/educacao. Siga também o G1 Educação no Twitter e por RSS.

Do G1, em São Paulo