MEC recusa proposta de alteração das cotas na UFC para 2013

O Ministério da Educação (MEC) não aceitou a proposta de alteração na proporção de cotas por critério socioeconômico na Universidade Federal do Ceará (UFC) para 2013. Há cerca de uma semana, o reitor da UFC, Jesualdo Farias, havia demonstrado interesse em reservar 80% das cotas, fechadas em 12,5% do total de vagas, para estudantes com renda familiar per capita igual ou inferior a 1,5 salário. Com a negativa do MEC, o critério de renda deverá compor 50% das vagas para cotistas, ou seja, 6,25% da oferta total na UFC, como estava previsto inicialmente.

De acordo com o pró-reitor de Graduação, Custódio Almeida, a justificativa do MEC foi o “prazo apertado”. A mudança é inviável, pois poderia levar até três semanas e o prazo do Enem é rigoroso, segundo Custódio. O pró-reitor informou que o MEC havia alegado que a mudança, além de alterar o cronograma, ainda poderia vulnerabilizar a segurança do sistema.

Para 2014

A partir de 2014, a Universidade poderá fazer as alterações na divisão das cotas. “A UFC terá de adiar (a mudança), já que todas as vagas são ofertadas pelo Sistema de Seleção Unificado (SiSU)”, afirmou Custódio. Em 2013, a UFC deverá receber, no total, 789 cotistas.

IFCE ainda vai decidir

O reitor do Instituto Federal do Ceará (IFCE), Gilmar Lopes Ribeiro, informou que o conselho universitário ainda não se reuniu para definir a quantidade de vagas que serão reservadas para cotistas. A intenção de Reitoria é que já no primeiro ano, seja implantado o valor máximo permitido por lei, de 50% das vagas, decisão que o reitor classifica como “mais ousada”. Gilmar disse acreditar que o conselho avaliará com “bons olhos” a proposta. O conselho deve ter uma reunião extraordinária para definir esse tema na próxima semana.

Foto: Arquivo

Diário do Nordeste