Projeto de leitura estimula crianças

Sentir o prazer de ler um bom livro e resgatar momentos em família. É com essa ideia que as escolas Joaquim Antônio da Silva e Dionísio Rocha, no município de Horizonte,  levam aos seus alunos do ensino fundamental o gosto pela leitura por meio dos projetos “Sacola da Leitura” e “Maleta da Leitura”. As ações buscam incentivar o hábito não apenas no aluno, mas também da família. Hoje, nas duas instituições, participam dos projetos cerca de 140 estudantes, de quatro a 14 anos.


Projeto voltado ao incentivo da leitura tem melhorado o desempenho de alunos nas escolas e contribuído para estimular habilidades artísticas

A partir dos projetos, as professoras apresentam aos alunos, no começo de cada mês, três opções de livros de histórias infantis e realizam uma eleição na turma para saber qual o assunto chama mais a atenção dos pequenos estudantes.

Em seguida, o resumo da história escolhida pelas crianças é narrado pela professora da turma, e o primeiro aluno da lista de presença leva o livro para casa dentro da sacola ou maleta, a fim de discutir o assunto com amigos e familiares.

Na manhã seguinte, a criança conta para os colegas de sala como foi a experiência de ler a história com a família, e o próximo aluno leva o livro, até que todos tenham lido. Posteriormente, se inicia todo o processo da escolha da nova história.

Segundo a diretora da Escola Joaquim Antônio da Silva, Eliane Rodrigues, o projeto “Sacola da Leitura” existe desde 2009. A ação, explica, contribuiu para aumentar o índice de aprendizagem dos alunos, bem como a leitura, escrita e compreensão textual. Atualmente, a ação beneficia um total de 60 alunos da instituição, que tem o 1º, 2º e 3º ano do Ensino Fundamental.

“A leitura e a narração de histórias têm o potencial de acessar um universo de riquezas simbólicas próprio da mente da criança. Exploradas de forma prazerosa, as atividades podem contribuir grandemente para a formação de leitores. Por isso, desde a implantação do projeto, a gente pede que os pais tirem mais tempo para fazer a leitura juntamente com os seus filhos”, declara a diretora da escola.

E foi por meio do “Sacola da Leitura” que Júlia Kaylane de Castro, de nove anos de idade e matriculada no 3º ano, deu um grande salto nos estudos. O projeto ajudou a garota, inclusive, a perder a timidez diante de uma apresentação teatral ou musical, por exemplo. Na vida dela, a leitura já se transformou em um hábito. “Eu leio as histórias para a minha mãe, meu padrasto e meus irmãos. Tenho um montão de livros”, conta.

Para a técnica de enfermagem Ana Kécia Siqueira de Almeida, de 24 anos, mãe do aluno Carlos Henrique Siqueira Almeida, de oito anos de idade, também da Escola Joaquim Antônio da Silva, o projeto, além do incentivo à leitura, uniu mais a família e melhorou o desempenho do filho na escola.

Avanços

“As notas do Carlos Henrique melhoraram bastante. Ele, agora, pesquisa mais os assuntos e fala corretamente. Sentamos, eu, ele e meu esposo, para lermos juntos as histórias e debater os assuntos. Assim, todos aprendem”, comemora a mãe.

De acordo com informações da diretora da Escola Dionísio Rocha, Pedrina Vasconcelos, o grande benefício da “Maleta da Leitura” é o estímulo à leitura, podendo também desenvolver habilidades dramáticas, teatrais e até despertar muitos novos talentos nas escolas.

“As crianças atuam realmente ao contar as histórias. Algumas se produzem e se caracterizam para repassar o verdadeiro sentido da história do livro. Essas ações podem abrir os olhos para uma eventual vocação para o magistério”, explica.

Protagonista
Partilha de livros com a família estimula alunos

Ana Gabrielly Martins de Sousa, de seis anos de idade e aluna do 1 º ano do ensino fundamental, diz que, quando lê histórias para os seus pais, ela canta uma música que aprendeu na sua escola. A garota lembra, ainda, que já leu vários livros, mas, adianta que, até agora, o seu preferido é “A Roupa da Zebra”.

Os pais ajudam a garota a ler as palavras que ela não entende e, depois, falam do que eles mais gostaram na história. Até durante as férias, a aluna vai com a mãe à escola em busca de livros na biblioteca.

Ana Gabrielly Martins de Sousa,
Aluna da Escola Joaquim Antônio da Silva

Diário do Nordeste