No Dia do Professor, profissionais da educação dizem o que esperam do novo prefeito de Fortaleza

Em comemoração ao Dia do Professor, a Redação Web do Diário do Nordeste conversou com alguns profissionais da educação para saber o que eles esperam do novo prefeito de Fortaleza. O 2º turno das Eleições 2012 ocorre no dia 28 de outubro, e os mestres explicam quais investimentos e melhorias devem ser realizados.


Professores de instituições públicas e privadas foram entrevistados. Foto: Kiko Silva
Formação artística

Com apenas 23 anos, Lígia Cidade é professora estadual e acredita que a ferramenta mais poderosa de todas é a educação. “Acredito que a pessoa que estivesse à frente da nossa cidade deveria investir em formação artística, pois como estudante de teatro, tenho plena certeza de que a arte é capaz de modificar muitas realidades cruéis, as quais nos deparamos a cada momento”, explica.

Conforme Lígia, não só os prefeitos, mas governadores e presidentes, devem ter a consciência de investir na base de formação da cidadania. “Não há preço que pague ver que seus alunos se interessam pelo que você está ensinando e você ver que com isso está sendo responsável por um futuro diferente”, comenta.

Investimento e valorização

Professora universitária, Lenha Diógenes trabalha há dois anos em uma faculdade particular. A profissional acredita que o novo prefeito deve realizar investimentos na formação de professores e execução da Lei do Piso Salarial Nacional. “Queremos nossos salários de acordo com o que está estipulado na lei e melhores condições de trabalho. A categoria sabe que a execução da lei não depende apenas do prefeito, mas queremos que haja empenho”, explica.

Realização de concursos

Professora em uma escola municipal, Cristiane Figueiredo afirma que o novo prefeito deve realizar concurso para professores efetivos. “Foram contratados 1.600 professores no mês de agosto, e mesmo assim, ainda existe uma grande carência”, lembrou.

Para a profissional de educação é necessário um investimento na estrutura física e segurança das escolas.

Diário do Nordeste