Desafios da carreira de educador social são debatidos pelo Legislativo

Em audiência pública na Câmara Municipal de Fortaleza nesta sexta-feira, 21, educadores, instituições e parlamentares discutiram o trabalho realizado pelos educadores sociais, evidenciando a necessidade da valorização da categoria. A vereadora Eliana Gomes (PCdoB), propositora do debate, ressaltou a luta da categoria na regulamentação da profissão e na garantia de melhores condições de trabalho.

“Essa luta (regulamentação) só se ganha se for na rua. Uma luta política para termos Planos, concursos e melhorar os salários”, destacou Eliana Gomes. A parlamentar, que também é educadora social, ressaltou a importância da mobilização dos educadores e entidade na garantia desse direitos aos profissionais. “A educação popular é importante mas o reconhecimento dos direitos dos educadores é essencial”, apontou.

Representando a Secretaria de Direitos Humanos do Município, Elisabete Amaral salientou a necessidade da capacitação e formação dos profissionais no fortalecimento da categoria. Destacando os desafios e complexidade dos problemas enfrentados pelos educadores sociais, Elisabete Amaral parabenizou o trabalho do Núcleo de Articulação de Educadores Sociais de Rua e dos educadores na busca de melhores condições de vida da população em vulnerabilidade.

O Núcleo de Articulação de Educadores Sociais de Rua apresentou uma cartilha “Metodologia – Trabalho de rua em Fortaleza”, que faz uma unificação das abordagens de rua. A entidade homenageou cinco educadores pelo desempenho no combate a vulnerabilidade social: Ana Cristina (Pequeno Nazareno), Iara Costa (Pequeno Nazareno), Erivelton Ferreira – Del do Lagamar (Central Única das Favelas), Vanessa Alves (Centro de Referência e Assistência Social), e Jorge Miranda (Ponto de Encontro).

Luiz Favaron, do Centro de Recuperação Mão Amiga, destacou a garra dos educadores no exercício da profissão, questionando a falta de concursos públicos para a categoria. O educador evidenciou ainda a necessidade de uma participação ativa dos profissionais na busca pela valorização, tendo um maior acesso a formação permanente e na pratica da cidadania.

O debate contou com a presença do deputado federal Chico Lopes (PCdoB); de representantes do Ministério Público do Estado, da Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social, da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas do Direitos Humanos do Estado e da Secretaria Municipal de Assistência Social, Emanuel Messias, Weyds Cavalcante, Joatan Freitas e Ana Paula Régis, respectivamente; e o coordenador da Equipe Interinstitucional de Abordagem de Rua, Ney Robson.

CMFOR