Dia Mundial da Alfabetização: no Brasil ainda é desafio, diz educadora

Apesar da redução no número de analfabetos, o Brasil ainda não tem muito que comemorar neste 8 de setembro, data que marca o Dia Internacional da Alfabetização. O Indicador do Alfabetismo Funcional (Inaf) 2011-2012, divulgado em julho, mostra que, apesar da escolaridade média do brasileiro ter melhorado nos últimos anos, a inclusão no sistema de ensino não representou aumento significativo nos níveis gerais de alfabetização da população. “Tivemos políticas importantes para a inclusão das crianças na escola, mas a alfabetização no Brasil é um desafio desde muito tempo”, corrobora Maria Luiza Moreira, professora do curso de pedagogia da Uniritter.

O Inaf, produzido pelo Instituto Paulo Montenegro e a organização não governamental Ação Educativa, mostrou, ainda, que apenas 35% das pessoas com ensino médio completo podem ser consideradas plenamente alfabetizadas e 38% dos brasileiros com formação superior têm nível insuficiente em leitura e escrita. “A nossa sociedade não é leitora. A leitura está mudando de lugar e forma e, às vezes, as dificuldades que as pessoas têm são principalmente pela falta de interação com um determinado tipo de texto”, explica Maria Luiza. Segundo ela, as escolas ainda não conseguiram se adaptar ao novo tipo de aluno, que ingressou com a universalização do ensino.

Demonstrando que o Brasil não é um país de leitores, a pesquisa Retratos da Leitura, divulgada em março deste ano, apontou que 75% dos brasileiros nunca frequentaram uma biblioteca. Além disso, a 33% da população disse que não tem nada que o motive a frequentar o espaço de estudo. Para apenas 20% dos entrevistados, a existência de livros novos é considerada um atrativo, 17% declararam que frequentariam mais as bibliotecas se elas ficassem perto de onde moram e 13% se elas tivessem livros mais interessantes.

O desafio
Maria Luiza aponta que é necessária a criação de iniciativas em sala de aula para manter os alunos interessados. “Muitas vezes, os alunos vão embora sem deixar a sala”, diz, se referindo à desatenção ao conteúdo trabalhado. Para ela, é necessário que se reúnam as melhores estratégias de cada método de alfabetização – deve-se trabalhar a relação letra e som e contextualizar o aprendizado. “É importante que se faça isso na escola, pois o aluno, muitas vezes, não tem esse tipo de experiência em casa”, aponta.

Para a pedagoga, a alfabetização já esteve em maior evidência nas discussões sobre educação. Ela acredita que a preocupação se tornou mais genérica, focada em resultados como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, que mostrou, neste ano, avanço nos anos iniciais e finais do ensino fundamental.

A Síntese dos Indicadores Sociais (SIS) do IBGE – análise baseada principalmente em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2010 – indica que, em 2009, 9,7% dos brasileiros com 15 anos ou mais eram analfabetos, o equivalente a 14,1 milhões de pessoas. A Pnad mostra, ainda, que um em cada cinco brasileiros de 15 anos ou mais (20,3% do total) são analfabetos funcionais.

Mas o desafio não é apenas do Brasil. Nos Estados Unidos, uma pesquisa do Centro Nacional para Estatísticas da Educação divulgada em 2009 mostrou que aproximadamente um a cada sete americanos – 14% – têm baixa alfabetização e seriam incapazes de compreender textos complexos.

Década para a Alfabetização
O ano de 2012 encerra a Década das Nações Unidas para a Alfabetização, lançada em 2003 e coordenada pela Unesco, que criou o slogan “Alfabetização como Liberdade”. Em 2005, o órgão lançou a Iniciativa de Alfabetização para o Empoderamento. O objetivo da Educação para Todos – parte dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio lançado pela ONU em 2000 -, de aumentar para 50% os níveis de alfabetismo até 2015, é o objetivo geral para Década da Alfabetização.

Terra