Suplicy defende produção nacional de livros didáticos

Eduardo Suplicy (PT-SP) lamentou o crescimento acelerado da importação de livros didáticos, devido à menor incidência de tributos sobre a produção em outros países. Segundo o senador, o aumento em quase 70% das compras de livros no exterior tem aprofundado o déficit na balança comercial da indústria gráfica brasileira e reduzido os postos de trabalho. Os livros são importados principalmente da China, Índia, Coreia do Sul, Colômbia e Chile.

— Os livros importados não recolhem PIS e Cofins, caracterizando subsídio indireto ao importador. É importante que haja cuidado para que a natureza dos impostos sobre os livros no Brasil não seja de natureza a impedir a competitividade — ressaltou.

Jornal do Senado