Diários da educação

O termo blog, que hoje já faz parte do nosso vocabulário, vem da contração do inglês web log, que quer dizer “diário da web”. Os blogs são um tipo de site que permite atualização rápida por meio dos posts – que são os artigos – e possibilita que os leitores façam comentários. Mais do que diários virtuais, os blogs costumam seguir um tema específico, como moda, política, gastronomia, cultura ou educação. “Uma característica é sua natureza de espaço para diálogos. Comentários aos posts podem ser oportunidades para troca de ideias, para a manifestação de discordâncias, para a indicação de informações, etc”, explica Jarbas Novelino Barato, doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e mestre em Tecnologia Educacional pela San Diego State University, que também mantém um blog de educação: o Boteco Escola (http://jarbas.wordpress.com).

No ambiente educacional, os blogs popularizaram-se de maneira bastante rápida. Muitos professores têm hoje seu blog pessoal, no qual discutem temas do cotidiano escolar ou usam o espaço virtual como recurso extraclasse para atrair a atenção dos alunos. Para Barato, a primeira regra é que os blogs precisam ser utilizados como blogs, ou seja, instrumento de autoria e comunicação no ciberespaço. “Qualquer proposta de uso de blogs em educação precisa garantir que os alunos sintam-se ‘cibercidadãos’. Como acontece com qualquer instrumento de comunicação, é preciso que os blogs sejam utilizados com imaginação. O uso de blogs nas escolas depende muito de professores que consigam criar bons desafios de comunicação para os alunos.”

Crie seu blog

Criar um blog é muito mais fácil do que se imagina, já que existem plataformas gratuitas que ensinam, quase que intuitivamente, como fazer um blog, além de oferecer opções de layouts, que podem ser personalizados. “Além de texto, [eles] podem apresentar imagens, vídeos e ilustrações. Outra vantagem: são fáceis de editar. Por isso, os autores podem sempre corrigir ou eliminar mensagens”, explica Barato.

A professora Cris Chabes mantém seu próprio blog, o Prô Cris Chabes (http://crischabes.blogspot.com), e também colabora com o blog Reeducaçãoem Foco (http://redeeducacaoemfoco.blogspot.com), que ganhou o 3º lugar no prêmio Top Blog 2011, na categoria Educação, indicado pelo júri acadêmico. Para criar o blog Prô Cris, ela escolheu a plataforma Blogspot. “Eu mesma criei e montei o layout. No início tive um pouco de dificuldade, pois nunca havia utilizado nenhuma ferramenta semelhante. Como já acessava alguns blogs que disponibilizam atividades para sala de aula, resolvi experimentar a plataforma Blogspot, e estou satisfeita. Recentemente, mudei o layout para outro de sugestão do próprio Blogspot”, conta (veja no destaque o quadro com opções de plataformas gratuitas – clique para ampliá-lo).

Dicas para usar o blog no ensino

Alunos blogando:

  • Incentive seus alunos a escreverem seus próprios textos;
  • Procure fazer com que seus educandos se envolvam com assuntos que são do interesse da sociedade. Evite a escolarização dos blogs;
  • Garanta liberdade de expressão. Não censure a produção dos alunos;
  • Incentive a circulação pelo ciberespaço. Não pare na escola e em interesses curriculares imediatos;
  • Promova contatos internacionais;
  • Ajude a construção de identidades digitais. Nas comunicações via internet, as pessoas vão construindo uma nova dimensão.

Fonte: Jarbas Novelino Barato, doutor em Educação e mestre em Tecnologia Educacional.

Professores blogando:

  • Reflita sobre suas próprias experiências docentes;
  • Descreva o que funcionou para você na sala de aula, assim como o que não funcionou;
  • Forneça alguma dica de ensino para outros professores;
  • Compartilhe ideias de atividades de ensino ou jogos de linguagem para uso em sala de aula;
  • Forneça dicas de “como fazer” no uso específico de tecnologias em sala de aula;
  • Poste mensagens sobre informações úteis, como calendário, agenda e tarefas de casa;
  • Poste tarefas e solicite aos alunos que respondam em seus próprios blogs;
  • Forneça exemplos de trabalho em sala de aula, de atividades de vocabulário, ou de jogos gramaticais;
  • Sugira exercícios de leitura on-line;
  • Reúna recursos da internet, sugira links interessantes;
  • Poste fotos e comentários sobre atividades em sala de aula.

Fonte: Artigo da blogueira Anne Davis (tradução do educador Jarbas Novelino Barato).

Texto publicado na edição de junho de 2012 da revista Profissão Mestre. Deixe seu comentário na seção Voz do Leitor