Escolas investem em disciplina

As escolas do Estado apostam em ambiente e atitudes disciplinadores. Nas instituições militares, monitoramento de alunos e organização são foco para boas notas em avaliações como o Ideb

Quando Vitória Santos Bezerra ingressou na escola Patronato Sagrada Família, no Antônio Bezerra, três anos atrás, surpreendeu-se. “Aqui é muito puxado”, reconhece a menina paulistana, de 15 anos. A hoje aluna do 1º ano “A” é parte do grupo que, em 2011, conquistou nota 5,1 na avaliação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e é toda orgulho por isso. A terceira melhor nota da rede estadual de ensino em Fortaleza é atribuída por Vitória ao empenho e interesse de todos – professores, coordenadores e alunos.

No colégio, a disciplina é quase parte do currículo escolar. As regras de comportamento e conduta são tão conhecidas e buscadas pelos pais que a escola é fartamente procurada na época de matrículas. Há até fila na porta. “A maioria vê na escola um lugar seguro para os filhos. Porque, desde a seleção, se exige o cumprimento das regras. Os pais assinam um termo de responsabilidade conscientes”, comenta a diretora, Sandra Lúcia de

Por essa parceria pais/escola, não há evasão, vandalismo, descumprimento de normas. Só há bons resultados. Além disso, a diretora atribui o Ideb 2011 ao ambiente espiritualizado que é constante na escola, fundada por irmãs vicentinas. “Aqui, nossa primeira preocupação é com a formação humana. Pensamos no aluno como um todo, não só na questão do conteúdo. O mais importante é ele ser gente, ter valores”, diz.

Essa aproximação com os alunos está presente também no cotidiano e no Ideb da escola Professora Maria Margarida de Castro Almeida, no Conjunto Esperança. A nota 5,3 nas turmas de 5º ano de 2011 foi construída com o pensamento de que essa é uma “série-base” para o aprendizado, aponta a coordenadora pedagógica Sílvia Lopes da Silva.

“Começamos conversando com eles (os alunos do 5º ano) para saber as dificuldades que tinham e fizemos uma avaliação individual. Isso favoreceu muito porque descobrimos a dificuldade e trabalhamos em cima dela”, aponta. “Porque o aluno está indisciplinado e, às vezes, é porque não entende o conteúdo. Se ele não sabe o que está acontecendo, vai se dispersar”, defende.

Escolas militares

A fachada da escola anuncia aos que chegam: “Aqui aprende-se com disciplina”. A organização e o ambiente disciplinador do Colégio da Polícia Militar do Ceará, no Antônio Bezerra, são meta e justificam as conquistas de bons resultados. O último foi o segundo melhor resultado do Ideb entre as turmas de 9º ano (6) e o segundo melhor do 5º. Os 7,3 representam, inclusive, a meta projetada somente para 2019. Para o major Paulino, coordenador de ensino da instituição, a “disciplina consciente” do estudante permite que o professor ministre boas aulas e, consequentemente, o estudante aprenda.

No Colégio Militar do Corpo de Bombeiros, além da disciplina, a assiduidade e o comprometimento de professores são apontados pelo comandante da escola como responsáveis pelo maior Ideb do 9º ano da rede (6,1) e o segundo maior do 5º ano (6,8). “Isso colabora na sistemática de aprendizado. O aluno tende a manter a sistemática de estudos e isso vai guiar resultados significativos”, defende o tenente-coronel William Lopes.

E agora

ENTENDA A NOTÍCIA

Mudanças nos avaliadores educacionais são lentas e dependem de vontade política e social. Porque a educação é um processo que ultrapassa a sala de aula e chega ao ambiente escolar. Por tudo isso, deve-se investir na educação como um valor familiar e um bem comum.

Resumo da série

Em três dias, O POVO mostrou os resultados do Ideb nas redes públicas de ensino em Fortaleza, os bons exemplos e os desafios das notas baixas.

Mariana Lazari
O Povo