Debate é interrompido após troca de insultos

Roberto Cláudio e André Ramos não finalizaram o evento devido a manifestação de hostilidade no auditório

O debate promovido, ontem, pelo Observatório de Políticas Públicas da Universidade Federal do Ceará (UFC), entre os candidatos a prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PSB) e André Ramos (PPL), teve de ser interrompido por conta dos insultos trocados entre militantes do PSB e dos candidatos Renato Roseno (PSOL), de Elmano de Freitas (PT) e de Inácio Arruda (PCdoB). O debate foi encerrado faltando ainda duas rodadas de perguntas aos candidatos.

O debate só teve um ciclo de perguntas em razão da manifestação dos militantes de vários partidos. André Ramos e Roberto Cláudio tiveram, cada um, 40 minutos para se apresentar e pontuar suas propostas FOTO: JL ROSA

Alguns militantes carregam cartazes na mão e acusavam Roberto Cláudio de bater em professor. Os aliados do candidato do PSB revidavam fazendo acusações aos adversários. Só não era notada militância do candidato André Ramos, o outro debatedor do encontro de ontem.

Cada prefeiturável teve 40 minutos para se apresentar e pontuar suas propostas. O primeiro a falar foi André Ramos que, dentre vários assuntos, destacou a necessidade de trazer indústria para a Capital, melhorando a oferta de emprego e o crescimento industrial da cidade.

Roberto Cláudio falou logo depois, sendo interrompido em alguns momentos por vaias e aplausos. O socialista também pontuou as áreas que pretende investir e, dentre elas, destacou a necessidade de melhorar a economia da cidade e de cuidar do espaço urbano de Fortaleza, citando como exemplo a limpeza de ruas e praças.

Verba

O debate só teve um ciclo de perguntas. Foi questionado aos prefeituráveis sobre qualidade do ensino público, gastos de campanha e políticas de combate às drogas. André Ramos disse que pretende investir na valorização do professor através, por exemplo, da melhoria salarial e aumentar a verba da educação para R$ 1,4 bilhão. Roberto Cláudio disse que sua campanha até agora, teve um gasto de R$ 1,5 milhão e que todos os doadores foram declarados.

Para André Ramos, foi feita uma pergunta em particular: qual a opinião dele sobre a forma como foram tratados os professores na Assembleia Legislativa? André Ramos disse que não vai admitir qualquer tipo de agressão em seu Governo. Já Roberto Cláudio fez questão de dizer que não mandou agredir nenhum professor.

Em um único ciclo de perguntas, foi questionado aos prefeituráveis sobre qualidade do ensino, gastos de campanha e combate às drogas

Diário do Nordeste