Desempenho ruim no NE preocupa petistas

Preocupada com baixo desempenho, cúpula da sigla prepara mobilização para reverter quadro

O baixo desempenho dos candidatos petistas no Nordeste acendeu o sinal de alerta na cúpula da sigla. Recentes pesquisas eleitorais indicam que, apesar de ter candidato próprio em sete das nove capitais da região, em só uma, Recife (PE), o partido está liderando, com Humberto Costa, que no entanto caiu oito pontos percentuais desde o início da disputa.

Nas outras duas, os apoiados pelo PT também não estão na frente. Em Maceió (AL), o pedetista Ronaldo Lessa está em empate técnico com o tucano Rui Palmeira. Em Aracaju (SE), Valadares Filho (PSB) está mais de 40 pontos percentuais atrás de João Alves Filho (DEM). Se as posições das pesquisas forem corroboradas nas urnas, o resultado deste ano será ainda pior que o do pleito municipal anterior, em 2008, quando o PT lançou nomes em sete capitais e venceu em duas (Recife e Fortaleza).

Ainda assim, naquele ano, passado o segundo turno, sete das nove capitais terminaram nas mãos de partidos da base aliada. Hoje, segundo os levantamentos, a oposição lidera em quatro capitais com ao menos dez pontos percentuais de diferença. Em outras duas, está na frente, mas com vantagens menores. A importância estratégica do Nordeste evidenciou-se na eleição presidencial, na qual Dilma venceu em todos os Estados da região e conquistou 18 milhões de votos, mais que o dobro do tucano José Serra.

PROBLEMAS
O PT não aponta causas para o atual cenário, mas alguns fatores ajudam a explicá-lo. O candidato do partido em Fortaleza, Elmano de Freitas, passaria pelo mesmo problema de Fernando Haddad em São Paulo: ainda não é conhecido pelos eleitores. Elmano, de acordo com a pesquisa do Ibope divulgada no último dia 13 deste mês, está com 6% da preferência do eleitorado, na sexta posição entre os dez postulantes à Prefeitura da Capital. O democrata Moroni Torgan lidera a corrida em Fortaleza com 31% da preferência dos eleitores. A participação de Lula nos programas de rádio e televisão de Elmano começou a ir ao ar nesta semana, mas ainda é incerta a vinda do ex-presidente à Fortaleza.

Nelson Pelegrino, candidato petista em Salvador, não decola devido ao efeito negativo das greves dos professores no Estado comandado por Jaques Wagner (PT), segundo integrante do partido. No Recife, o efeito do racha entre PT e PSB, do governador Eduardo Campos, é tido como um dos elementos da queda de Humberto Costa.

MOBILIZAÇÃO
A conjuntura foi apresentada, nesta semana, em reunião da cúpula do PT em SP, quando o comando do partido se debruçou sobre dados das disputas de todas as regiões.

“Temos de mobilizar as lideranças para fazer acompanhamento minucioso e tentar reverter alguns cenários”, disse o coordenador da bancada do Nordeste e vice-presidente do PT, José Guimarães. “Temos potencial, mas os candidatos ainda não decolaram. Não deixa de ser um sinal de alerta.”

Antes disposto a atuar apenas em algumas cidades – como São Paulo, Recife e Belo Horizonte – o ex-presidente Lula foi recrutado para ajudar Pelegrino, na Bahia. Também serão convocados a participar das campanhas na região os ministros Alexandre Padilha (Saúde), Paulo Bernardo (Comunicação) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil).

O Estado – CE