Editorial: Educação versus criminalidade

“O investimento em Educação de qualidade e em projetos sociais afirmativos é, na sociedade contemporânea, o verdadeiro ingrediente para fazer florescer, plenamente, a cidadania”, afirma jornal

Fonte: Estado de Minas (MG)

O crescimento da violência em geral é, atualmente, um dos maiores desafios a serem enfrentados pelas autoridades que exercem o poder público em todo o mundo. De modo geral, a criminalidade pode ser combatida de duas maneiras: pela prevenção e pela ação repressiva. Evidentemente, a combinação dessas duas estratégias tende a gerar os melhores resultados a médio e longo prazo.

Entretanto, muitos governantes priorizam a ação repressiva como forma de responder, de maneira mais imediata, aos anseios dos cidadãos, que clamam por mais segurança em seu dia a dia. Sem abrirmos mão dessa ferramenta essencial de combate imediato ao crime, é preciso refletir sobre os efeitos estruturais e duradouros da ação de prevenção na construção de uma cultura de paz e de uma sociedade sem violência.

Os mais recentes indicadores de criminalidade do município de Betim nos permitem ilustrar essa reflexão. De acordo com dados da Polícia Militar de Minas Gerais, no primeiro semestre de 2012 houve uma queda de 16,2% na taxa de homicídios em Betim em relação ao mesmo período do ano passado.

O percentual em si já seria expressivo, mas ele se torna ainda mais relevante na medida em que se trata do maior índice de queda na criminalidade entre todos os 853 municípios mineiros. Estamos à frente da prefeitura desde 2009. Hoje, temos a satisfação de garantir aos cidadãos que essa redução tão expressiva é fruto de uma política consistente e contínua de investimentos em projetos educacionais e de proteção social.

Nos últimos três anos e meio, nosso governo investiu mais de R$ 900 milhões na área educacional. Em nossa gestão, implantamos, por exemplo, o programa Escola da Gente, que hoje acolhe 12 mil Alunos em horário integral nas Escolas. Com o programa, crianças e adolescentes usufruem de uma Educação integral e podem ficar longe das ruas, da violência, das drogas e dos riscos sociais. Além das aulas regulares, eles contam com acompanhamento Escolar e inúmeras atividades culturais e esportivas em 32 Escolas municipais.

Outros projetos complementam o nosso investimento global em Educação, como é o caso dos cursos profissionalizantes. Atualmente, essa iniciativa oferece formação técnica para mais de 3,5 mil jovens, que já colocam o pé no mercado de trabalho.

O cuidado com os mais pobres inclui também programas voltados para a moradia, com destaque para o Minha Casa, Minha Vida, em parceria com o governo da presidente Dilma Rousseff. Até o final de nossa gestão serão entregues mais de 2,4 mil unidades habitacionais pelo programa, número recorde na Região Metropolitana de BH e quase o dobro do total da capital.

Há também a preocupação com o acesso à alimentação de qualidade, o que é comprovado pelos seis restaurantes populares de Betim, que servem 16 mil refeições por dia por apenas R$ 1 cada.

Em conjunto com todas essas ações, a prefeitura vem atuando também na segurança pública, dentro dos limites da autonomia municipal. Uma das iniciativas foi a ampliação de 40% no número de guardas municipais, cujo efetivo passou de 107 para 150 profissionais entre 2008 e 2011.

É significativo lembrar que o cenário da violência no Brasil é ainda mais grave quando são considerados apenas os jovens em situação de risco social – ou seja, a parcela da população que é diretamente beneficiada pelos projetos educacionais e sociais.

Podemos afirmar, por fim, que Betim não está em destaque em termos de redução da criminalidade por mero acaso ou somente em função de uma ação repressiva. Para a nossa administração, o investimento em Educação de qualidade e em projetos sociais afirmativos é, na sociedade contemporânea, o verdadeiro ingrediente para fazer florescer, plenamente, a cidadania.