Sacrificar o sono para estudar piora o desempenho do aluno, revela estudo

Lorena diz que gosta de estudar, mas 'nem muito, nem pouco' (Foto: Raquel Freitas/ G1)Foram analisados 535 adolescentes de 3 séries do ensino médio nos EUA.
Comportamento de jovens é comum nos anos que antecedem o vestibular.

Do G1, em São Paulo

Uma pesquisa feita pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), nos EUA, aponta que deixar de dormir algumas horas à noite para estudar um pouco mais piora o desempenho do aluno no dia seguinte. Esse é um comportamento comum principalmente nos últimos anos do ensino médio, que antecedem o vestibular.

O trabalho está publicado na atual edição da revista “Child Development” (Desenvolvimento Infantil) e conclui que os prejuízos por sacrificar o sono independem do quanto a pessoa estudou durante o dia.

Os cientistas, liderados pelo professor de psiquiatria e ciências biocomportamentais Andrew Fuligni, analisaram durante duas semanas variações em 535 alunos de três séries diferentes do ensino médio.

Os participantes, de várias etnias e faixas socioeconômicas, tiveram que responder por quanto tempo estudavam e dormiam, se não entendiam algo ensinado nas aulas ou haviam tirado nota baixa em alguma prova escrita, oral ou tarefa de casa.

Para a surpresa dos pesquisadores, a falta de sono criou mais problemas relacionados ao desempenho nos exames do que à compreensão dos adolescentes sobre o que era falado.

Fuligni destaca que o sucesso acadêmico depende, portanto, de estratégias que evitem comprometer o sono, como manter um horário consistente de estudo durante o dia, usar o período escolar da forma mais eficiente possível e diminuir o tempo gasto com outras atividades menos essenciais.