11,4 mil terão ponto cortado

Sérgio Mendonça tem participado de reuniões com os servidores. O reajuste oferecido foi de 15,8% FOTO: AG, BRASIL

Brasília. O Ministério do Planejamento divulgou ontem o corte do ponto de 11.495 servidores públicos federais em greve. De acordo com o ministério, eles sofrerão o desconto dos dias parados no salário de agosto, a ser pago a partir de 1º de setembro.

Na folha salarial de julho (pagamento realizado em agosto), os descontos atingiram 1.972 grevistas, segundo informou o ministério. De acordo com a assessoria do Planejamento, o corte do ponto de professores universitários que aderiram à greve será decidido pelas direções das universidades federais, que têm autonomia para isso.

O governo estima em 70 mil o número de servidores paralisados. Entretanto, segundo os sindicatos das categorias em greve, 350 mil servidores federais pararam as atividades em todo o País. De acordo com o Planejamento, há 582,4 mil servidores ativos no Poder Executivo.

Negociações

Das nove reuniões de negociação com representantes de categorias de servidores federais que estavam previstas para ontem, quatro foram mantidas na agenda do secretário de Relações do Trabalho da pasta, Sérgio Mendonça. A primeira, com funcionários do Hospital das Forças Armadas (HFA), terminou sem acordo após o governo apresentar a proposta de 15,8% de reajuste dividido em três anos, a mesma oferta que vem fazendo a todas as categorias.

Segundo Josemilton Costa, secretário-geral da Condsef – que representa cerca de mil funcionários do HFA, a proposta do governo “não atende à demanda dos servidores, já que nem repõe a inflação nem reestrutura a carreira”. O Planejamento afirmou que o reajuste de 15,8% é o “limite” que o governo tem a oferecer.

Diário do Nordeste