Nacional Dilma diz que governo precisa se esforçar para melhorar ensino médio

A presidente Dilma Rousseff comentou nesta segunda-feira (20) os resultados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e disse que o governo tem “um grande esforço a fazer” para qualificar o ensino médio. O Ideb é um indicador que avalia a qualidade da educação básica no País.

Segundo os dados divulgados pelo Ministério da Educação na última terça-feira, o ensino médio estagnou no país. A nota, que vai de zero a dez, considera o desempenho em português e matemática e também a taxa de aprovação dos estudantes (quantos passaram de ano). De acordo com o MEC, o índice estagnou em 3,4 no ensino médio público, o mesmo indicador de 2009, ainda que dentro da meta de 2011.

“Temos um grande esforço a fazer no ensino médio. Por isso, a educação em tempo integral é tão importante, principalmente quando, junto com ela, vem a melhora dos currículos que nós estamos fazendo no ensino médio. Várias ações, como o Programa Ensino Fundamental Mais Educação, estão ajudando a melhorar a qualidade da educação no nosso país. A escola pública pode, sim, ser uma boa escola e esta vitória também é dos nossos professores”, afirmou a presidente em seu programa semanal de rádio “Café com a Presidenta”.

Mudanças na grade

O governo federal pretende mudar a grade curricular do ensino médio público e diminuir o número de disciplinas na grade das escolas.
Ainda durante o programa, Dilma destacou a nota 5 alcançada no Ideb nos anos iniciais do ensino fundamental -e que superou em 0,1 a nota prevista para 2013 (4,9)- e a nota 4,1 para os anos finais.

Educação integral

A presidente também falou sobre os investimentos do governo federal para estimular a educação em tempo integral no país. De acordo com a presidente, o programa Ensino Integral Mais Educação possui hoje 18 mil escolas que atendem crianças do Bolsa Família com educação em tempo integral. O número é mais que o triplo registrado no ano passado: 5.300 escolas. Ao todo no país, 32 mil escolas públicas oferecem ensino integral.

“Se você considerar que hoje nós temos 32 mil escolas públicas com ensino integral em todo o país, essas 18 mil escolas, com maioria de alunos do Bolsa Família, significam mais da metade de todas as escolas públicas com tempo integral. É uma conquista. A nossa prioridade é levar a educação integral para as famílias e as regiões mais pobres”, disse a presidente.
Na avaliação de Dilma, a educação em tempo integral contribuirá para o desenvolvimento do país.

“Todo país que se desenvolveu, que saiu da condição de país pobre e que se mantém na condição de país desenvolvido, apostou na educação em tempo integral para todas as crianças. É isso que estamos fazendo com o Programa de Ensino Integral Mais Educação. O nosso objetivo é ampliar o tempo de estudo da criança e do jovem na escola, com maior acompanhamento dos professores. E, assim, ao mesmo tempo, estamos assegurando acesso à alimentação de qualidade e ao esporte”, avaliou.

Folhapress