Encontro discute a aplicação da Prova Brasil e a composição do Ideb

Encontro 'Educação em Pauta' discute Prova Brasil e IdebEspecialistas e jornalistas debateram como utilizar os dados das avaliações

Do Todos Pela Educação

A importância e funções da Prova Brasil e do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foram os temas do “Educação em Pauta”, encontro promovido pelo Todos Pela Educação em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e a Fundação Itaú Social.

O evento ocorreu na manhã de hoje, em São Paulo, e contou com a participação de especialistas e jornalistas responsáveis pela cobertura de Educação de veículos de diversas partes do País. O principal objetivo do debate é ajudar a melhorar a cobertura dos temas pela imprensa, uma vez que os dados do Ideb 2011 devem ser divulgados pelo Inep nos próximos dias.

A coordenadora-geral do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica da DAEB/Inep, Clara Etiene Lima de Souza apresentou a metodologia da Prova Brasil e explicou todo o processo de concepção e aplicação da Prova Brasil. Ela fez um pequeno histórico da avaliação no Brasil, mas focou sua fala na edição do exame aplicada em 2011, apresentando as portarias publicadas entre o ano passado e este.

“Fizemos muitos aperfeiçoamentos na Prova Brasil. Houve investimentos entre 2009 e 2011 para a operação se tornar integrada, com uma empresa responsável por cada parte do processo da avaliação. Além disso, o processo foi automatizado e conta com mais aplicadores e mais polos de aplicação”, explicou Clara. “Este também foi o primeiro ano em que conseguimos fazer a conferência por aluno entre os dados da aplicação da Prova Brasil e os dados do censo escolar.”

Complementando a apresentação de Clara, Carlos Eduardo Moreno Sampaio, diretor de Estatísticas da Educação Básica da DEED/Inep, explicou a composição matemática do Ideb. “O índice é composto pelo desempenho dos alunos nos testes padronizados e pela taxa de aprovação. Por isso, o saldo de matrículas, que é a base para o cálculo do rendimento escolar, é muito importante”, afirmou. Ele fez demonstrações com dados hipotéticos para mostrar como os dois fatores influem na nota do Ideb.

Para finalizar as apresentações, o professor Marcio da Costa, do Grupo de Estudos e Pesquisas dos Sistemas Educacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), falou sobre as possibilidades de uso dos resultados da Prova Brasil, Saeb e Ideb. Ele também mostrou os problemas que podem acontecer nas escolas que se mostram eficazes na avaliação e apresentou as limitações que o Ideb tem hoje.

“Podemos citar o fato de o índice só avaliar os alunos presentes, além de dar um peso maior para matemática do que para leitura, como pontos de atenção”, afirma. “Além disso, o Ideb esconde os desempenhos baixos de muitos alunos e reproduz o nível socioeconômico da escola.”

Para baixar a apresentação de Clara Etiene Lima de SouzaCarlos Moreno e Marcio da Costa, clique nos nomes dos convidados.