Estudantes fazem contagem regressiva para prova do Enem

Em todo o estado, 369.064 alunos se inscreveram para fazer a prova, a ser realizada em 3 e 4 de novembro

Fonte: Diário do Nordeste (CE)

Bastou o segundo semestre começar para o clima de ansiedade bater nos estudantes. Faltando 82 dias para o Exame Nacional do Ensino médio (Enem), que serve como processo seletivo para várias universidades e institutos federais de Ensino superior, é natural que uma série de dúvidas e angústias surjam.

Foi um ano inteiro de dedicação, renúncia e muito estudo. Mas chega a reta final, o que fazer? Evitar sair para baladas? Estudar mais horas por dia? Resolver o máximo de exercícios e participar de todos os simulados que aparecerem durante o ano? Abdicar da internet e até do namorado? Tudo é válido, mas um detalhe importante não pode ser esquecido: o emocional.

Sem um equilíbrio mental, o trabalho de um ano inteiro pode ser perdido. A pressão é grande. Além dos pais, tem ainda a cobrança do Aluno com ele próprio. Por isso, especialistas recomendam que o estudo deve ser focado, mas lembram que é importante dedicar uma parte do tempo para descanso e lazer.

Dados
O sonho de ingressar em uma universidade fez com que 369.064 pessoas se inscrevessem, neste ano, no Ceará, para fazer a prova do Enem, marcada para os dias 3 e 4 de novembro. Em todo o País, são 6,4 milhões de inscritos, índice recorde de todas as edições realizadas.

Seja de Escolas públicas ou privadas, o ritmo de estudo é acelerado. Kátia Vanessa Menezes, 35 anos, que há seis anos atuava profissionalmente como enfermeira em um hospital de Iguatu, município localizado a 380 km da Capital, largou a profissão e a cidade de origem para correr atrás de seu grande sonho: ser médica. “Foi uma mudança muito brusca, mas consciente”, esclarece.

Atualmente, faz cursinho pré-vestibular em uma Escola particular e acrescenta que a escolha não tem a ver com dinheiro e nem status, mas com a vocação e o amor pela área da saúde. “Juntei todas as forças que eu tinha com a vontade de ser médica e voltei a estudar”, frisa. O Enem deste ano será o terceiro que irá prestar, ainda assim, não desanima. Sua rotina de estudos é pesada. Além das 7 horas que passa no cursinho, estuda, diariamente, 6 horas em casa.

Pedro Ítalo Oliveira Gomes, 15 anos, ainda faz o 2º ano, mas pelo segundo ano consecutivo se inscreveu no Enem com intuito de se familiarizar com a prova. Além das aulas regulares, ele participa também de uma turma de olimpíada, totalizando 10 horas diárias no colégio. Até no intervalo, entre um assunto e outro com amigos, folheia os livros.

Diferentemente do que muitos pensam, motivação e dedicação é o que não faltam aos Alunos da rede pública. Na Escola de Ensino médio Governador Adauto Bezerra, no Bairro de Fátima, em torno de 560 estudantes se inscreveram para fazer o exame. Humberto Mendes, diretor da unidade, afirma que o trabalho de preparação para o Enem envolve um material qualificado, Professores comprometidos e Alunos que têm como ideal ingressar numa universidade.

Outro ingrediente essencial que a Escola trabalha é a motivação. “O Aluno que se tornar o primeiro de uma geração a entrar em uma universidade passa a fazer parte de uma nova cultura, porque, se ele entra, o irmão dele também ficará nessa perspectiva de passar”, frisa.

Considerada referência na rede pública estadual, a Escola Adauto Bezerra atrai estudantes de toda a Capital, além de municípios da região metropolitana. O bom desempenho está no número de aprovações, que cresce a cada ano. Em 2009, 25 Alunos ingressaram na universidade, em 2010, foram 48, no ano passado, 73 e, neste ano, 155. No decorrer do ano, cinco simulados do Enem são realizados. Outra estratégia utilizada é dos ex-Alunos retornarem à Escola. Eles passam em sala de aula motivando os colegas reforçando que, se eles conseguiram, os demais também podem.

Contagem regressiva
Para melhor se preparem, cerca de dez estudantes do 3º ano formaram um grupo de estudos. Além das aulas obrigatórias, participam ainda do pré-vest, totalizando dez horas seguidas no colégio. Bastante focado, o grupo faz contagem regressiva dos dias que faltam para o exame: 82.

A aluna Natasha Gomes, 17 anos, além do pré-vest e das aulas do 3º ano, ainda estuda mais duas horas em casa. A jovem pretende cursar gastronomia e confessa que o ritmo é puxado, mas garante que vale a pena o esforço para ir em busca do que almeja para o seu futuro.

Até da internet, na qual “perdia tempo com os amigos”, Natasha abdicou. Também teve de sair do trabalho, por causa do cansaço e porque estava atrapalhando os estudos. Todo esforço e dedicação têm um propósito: realizar o sonho de chegar a um curso superior.

Emocional
A psicóloga Letícia Cipriano disse que quando começa o segundo semestre, percebe que os estudantes ficam mais ansiosos. “Parece que eles despertam que falta pouco tempo”, frisa. Procura, então, tranquilizá-los, motivá-los e fazer com que coloquem para fora as angústias, com intuito de fortalecer o emocional e ajudá-los a lidar com esse momento tenso.

“A gente observa que eles têm muito medo de não dar tempo de estudar tudo, medo de não passarem, falam sobre a pressão da família e do medo de decepcionar os pais que confiam e investem tanto neles. Tudo isso é muito comum. Os Alunos de pré-vestibular, mesmo os que já trabalham, têm essa cobrança. É a dedicação de um ano inteiro, por isso o medo de conseguir”.

A psicóloga recomenda aos Alunos que durmam bem, trabalhando a ansiedade e o medo. Ela orienta que coloquem desde cedo as suas dúvidas e adotem um horário de estudo, para que fiquem mais autoconfiantes. “Dá para trabalhar a ansiedade em especial se for preventivamente, porque ansioso todo mundo é, o que diferencia é como a pessoa vai lidar com ela”. Na véspera da prova, diz que é bom fazer exercícios físicos e conversar com amigos e familiares.

O nosso sistema educacional com o foco no vestibular e atualmente no Enem, não tem outra saída a não ser o de avaliar o desempenho quantitativo, considerando, prioritariamente, as notas do Aluno e não os seus talentos e valores pessoais. Fato este somado às pressões e expectativas da família e da própria sociedade geram desconforto e receio de não alcançarem a pontuação necessária para ingressarem na universidade, trazendo muita ansiedade.

Nesse mundo de competição, alguns estudantes negam-se a realizarem qualquer outra atividade que não seja o estudo, alegando ser perca de tempo. Com isso, não há um descanso necessário ao corpo e à mente, o que pode levar a um forte estresse no dia do exame. Desse modo, aquele estudante que só se dedicou aos livros e esqueceu que se divertir e descansar – gêneros de primeira necessidade – podem não ter um resultado satisfatório e dê um “branco”. É como se o corpo e a mente estivessem gritando por uma parada. A ansiedade é tal, que os conhecimentos fogem da memória, o raciocínio é bloqueado e o emocional fragilizado toma conta do estudante.

A melhor forma de lidar com essas questões é, desde o início da preparação, saber dividir o tempo entre estudo, descanso e diversão. É muito importante desenvolver a inteligência emocional para lidar com os medos e angústias que possam surgir durante todo o processo e, especificamente, no momento da prova. O Aluno que estudou de forma sistemática deve desenvolver o seu autoconhecimento para que tenha segurança do seu saber e para que possa enfrentar esse desafio com certa tranquilidade. A compreensão e o apoio da família durante todo o processo também pode colaborar bastante. O ideal é que, antes do exame, o estudante procure dormir cedo, tome um banho antes de ir para a prova para refrescar corpo e mente, tenha uma alimentação reforçada, que não seja indigesta, saia cedo de casa, leve chocolate, biscoitinhos e água.

Aprendizagem, motivação e alegria
No Dia do Estudante, que transcorreu ontem, nada de folga em Fortaleza. O sábado foi utilizado para aprendizagem. Mas, com uma didática diferente, que incluiu alegria e motivação, com foco no Exame Nacional de Ensino médio (Enem), a porta de entrada no Ensino superior.

A iniciativa partiu da Secretaria da Educação do Estado (Seduc). A pasta reuniu, na manhã de ontem, no Centro de Convenções Edson Queiroz, 2.500 jovens matriculados no 3º ano do Ensino médio da Capital e do Interior. Os estudantes participaram do evento “Enem Chego Junto, Chego Bem”, com programação que incluiu muita música, confraternização e palestra de motivação para aprendizagem.

A secretária de Educação do Estado, Izolda Cela, foi a anfitriã do evento. Na ocasião, ela realizou a entrega simbólica de 100 mil exemplares de coletânea de provas anteriores do Enem.

A titular da Seduc explicou que o evento integra o trabalho que a pasta vem colocando em prática, desde o início do ano, nas Escolas estaduais. O objetivo é motivar os estudantes do 3º ano do Ensino médio a se inscreverem no Enem.

A rede estadual conta, neste ano, com 100 mil Alunos matriculados no 3ª ano do Ensino médio. Deste total, 91 mil se inscreverem para as próximas provas do Enem, em novembro próximo. Em 2001, 8% dos estudantes de Escolas públicas foram aprovados no Enem.

A expectativa da Seduc para este ano é de que a aprovação fique próxima de 15%. “Acreditamos que o percentual pode aumentar ainda mais a cada edição do Enem”, pontuou Izolda Cela, enumerando uma série de ações a serem desenvolvidas em prol do aprendizado dos estudantes até o próximo exame, destacando o “Simuladão´, no final de setembro próximo.

A ideia é oferecer ao Alunos das Escolas públicas condições similares de aprovação no Enem que as obtidas por estudantes de Escolas particulares.

Em clima de alegria, ao som da Banda Soulpop, os jovens aprovaram a ação. “Precisamos desse estímulo ao aprendizado, pois somos capazes de passar no Enem e alcançar a universidade”, disse a estudante Maria das Dores da Silva, 16 anos. Ela sonha em cursar psicologia.