Como gerar uma boa educação

Ser professor é fácil, basta um número intermináveis de fórmulas, ensinamentos, boa fluência verbal e um pouco de autoridade que, às vezes, se confunde com autoritarismo. No entanto, ser educador é mais difícil, pois para isso é preciso pôr em prática alguns sentimentos e valores como respeito, consideração, cooperação e amizade para com os alunos que acaba gerando firmemente um bom processo educativo que seja eficaz provocando nos alunos o desejo de aprender que não é obtido com medo ou ameaças. A educação é provavelmente um fenômeno de maior necessidade de boas relações, de amizade mútua e de cumplicidade o que, infelizmente, muitos não entendem.

Os professores são seres mágicos que promovem muitas coisas boas tanto na escola quanto fora dela e o fenômeno educativo quando se faz em comunhão é capaz de gerar maravilhas, emoções e deslumbramentos.

Por tudo isso, é deveras importante que a democracia seja uma condição de funcionamento das escolas e a comunhão de interesses povoem seus ambientes de maneira satisfatória onde todos possam colaborar firmemente para que esta cresça e onde os alunos sejam motivados a criar, participar e saber se transformarem em seres ativos na construção do conhecimento. A Escola tem de proporcionar oportunidades de o aluno saber aprender, fazer, conhecer e ser como dizem os Pilares da Educação, pois o aprendizado não é feito com imposição, com autoritarismo e com visão meramente técnica do processo educativo. Não concordamos com a máxima de que Escola boa é aquela onde predomina a disciplina, pois escola boa é aquela onde predomina educação de valores, de verdades compartilhadas e onde a emoção seja um fenômeno corriqueiro e partilhado em todos os membros que habitam o ambiente escolar.

Assim para que a boa educação seja gerada é preciso muita democracia com participação de toda comunidade escolar na escolha e participação das gestões, com construção coletiva do Projeto Político Pedagógico, do Regimento Escolar e até das decisões financeiras da escola. Uma educação que se reveste de proposição antidemocrática jamais conseguirá bons frutos como temos visto em avaliações de educação em nosso país. As escolas antidemocráticas e sem a geração de prazer do ensinar não crescem, pois escola não tem nada a ver com estrutura física embora seja importante, escola é como nos diria Paulo Freire é Gente.

Quem não acredita nesta premissa da escola deve sair da educação, deve buscar outra ocupação, deve fazer outra missão, pois está certamente atrapalhando o desenvolvimento econômico e social da Nação. A educação não funciona com ditaduras, com imposições, com pessoas alheias ao processo ou com profissionais que só querem enriquecer à custa do fracasso educacional e da desgraça de jovens que são sim expulsos da escola.
Francisco Djacyr – Professor

O Estado – CE