Delúbio é exonerado do cargo de professor

Réu do mensalão, petista teria recebido R$ 164 mil sem trabalhar - ANTONIO CRUZ/ABR
Réu do mensalão, petista teria recebido R$ 164 mil sem trabalhar – ANTONIO CRUZ/ABR

Após a conclusão de um processo interno na Secretaria de Educação, o governo de Goiás exonerou ontem o ex-tesoureiro do PT Delubio Soares do cargo de professor. Segundo assessoria do governo, ele foi exonerado por abandono de cargo ao atuar como sindicalista e não dar aula.

Delúbio era professor em Goiás, mas morava em São Paulo. O ex-tesoureiro foi acusado pelo Ministério Público Estadual de receber R$ 164,4 mil sem trabalhar. Além dele, outros 29 foram exonerados após processo administrativo.

Questionado se a conclusão do processo teria sido coincidência com o julgamento do mensalão, a assessoria afirma que só foi assinado hoje por “dificuldades de localizá-lo”.

O advogado de Delúbio no caso do mensalão, Arnaldo Malheiros, ironizou a decisão. “Que bom dia eles escolheram, né?” O ex-tesoureiro do PT é réu na ação penal do mensalão, que começou a ser julgado na última quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal.

Malheiros negou que seu cliente tenha ficado com parte dos recursos do suposto esquema e criticou o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, por incluir acusação contra Delúbio.

“Isso é absurdo, não está na denúncia e não pode ser considerada pelo Tribunal. Ele falou que o Delúbio se locupletou. Não conheço ninguém que tenha roubado e more na casa da sogra”, afirmou. (das agências)