Greve em universidades é uma tragédia para o país, diz Cristovam

Imagem do áudio

LOC: A PARALISAÇÃO DAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS É UMA TRAGÉDIA PARA O PAÍS. A AFIRMAÇÃO É DO SENADOR CRISTOVAM BUARQUE, DO PDT DO DISTRITO FEDERAL.

LOC: ELE LEMBROU QUE PIOR DO QUE OS BAIXOS SALÁRIOS E A FALTA DE VERBAS É O SUCATEAMENTO DO CONCEITO DE UNIVERSIDADE NO BRASIL. REPÓRTER PATRÍCIA NOVAES: 

TÉC/REP: Cristovam Buarque afirmou que reconhece o esforço do governo para tentar resolver a situação que angustia milhares de alunos e professores das universidades brasileiras há quase três meses. Para o Senador, que é professor universitário, pior do que a falta de recursos para o pagamento de melhores salários para os professores é o sucateamento do conceito de universidade no Brasil. Como exemplo, ele citou a defasagem entre o avanço do conhecimento nas empresas e nos institutos de pesquisa e o conhecimento gerado nas universidades. 

(Cristovam) – Não é por acaso que as grandes revoluções que aconteceram nas últimas décadas, como da Internet e do microcomputador, ocorreram fora das universidades, não dentro das universidades. O conhecimento avança mais depressa fora do que dentro da universidade. Isso gera um descontentamento, uma insatisfação, que termina se realizando em greves em nome de salários que estão baixos, em nome de falta de verbas, o que é verdadeiro, mas que têm uma causa mais profunda. 

(REP) Cristovam também lembrou que hoje o conhecimento se espalha espontaneamente pela internet e lamentou o fato de as universidades em todo o mundo estarem se abrindo, enquanto no Brasil elas se fecham. 

(Cristovam) O Brasil segue resistindo a essa tendência do conhecimento que se espalha por fora das universidades, e aí ela fica sucateada no seu conceito. Da mesma maneira que ela fica sucateada pelo fato de não ter percebido que hoje o conhecimento não cabe mais dentro de um departamento. 

(REP) O senador também citou a má qualidade da educação de base no Brasil e fez um apelo para que a discussão do problema não fique na superfície. Desde o dia 17 de maio, 57, das 59 universidades federais estão em greve. Nesta semana o Ministério da Educação apresentou uma proposta de reajuste de 25 por cento nos salários dos professores universitários com base no salário de março. A maioria das instituições, no entanto, não aceitou a proposta.

Patrícia Novaes.

Agência Senado