Acordo com Governo não deve encerrar greve de professores

Professores da UFC estão em greve. Governo quer acordo. Entidades representativas divergem sobre pauta e propostas - FOTO: ANDRÉ SALGADOInstituições federais do Ceará aguardam assembleia para posicionamento sobre greve. Governo indicou assinatura de acordo com uma das entidades, mas demais expõem não representatividade da categoria na decisão

A greve nas instituições federais do Ceará continua. A assinatura do termo de acordo que assegura o reajuste aos professores federais pela Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), prevista para ontem, não modificará a situação da greve no Estado.

Como os professores da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) já haviam se posicionado contra a proposta e contra a data da realização da consulta do Proifes em assembleia, as instituições não estão inclusas no acordo.

O resultado da consulta do Proifes foi utilizado como respaldo para a assinatura do acordo com o Governo. Segundo o Proifes, 74% dos professores que participaram da consulta foram favoráveis à proposta governamental.

O professor e presidente do Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Estado do Ceará (Adufc), Marcelino Pequeno, declarou que foi comunicado oficialmente durante a reunião que a maioria dos professores do Ceará rejeitou a proposta.

“Pelo desenrolar dos novos fatos, levaremos a situação para os professores em assembleia para saber como se posicionam diante desse quadro. Há a proposta de realizar o plebiscito. Precisamos mobilizar a universidade, que está dividida, nesse momento conturbado”, apontou. A assembleia deve acontecer próxima semana.

Representações

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) e o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica e Tecnológica (Sinasefe), também presentes na reunião, informaram a não aceitação da proposta governamental em suas últimas assembleias.

Em nota, o Andes classificou como desrespeito o anúncio do acordo, uma vez que o Governo continuaria ignorando a pauta das instituições, que versa sobre a reestruturação da carreira docente e a valorização e melhorias nas condições de trabalho.

Segundo Maria do Céu de Lima, professora da UFC, o Andes entende que a decisão da base é de rejeição à proposta do Governo e que esse foi o voto de 53 das 58 instituições em greve. “Nossa base não autorizou nenhuma entidade a assinar com o Governo. Não reconhecemos essa consulta (feita pelo Proifes)”, explicou a professora.

Apesar de o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, ter indicado durante a reunião que a proposta do Governo era a possível e de que não haveria uma contraproposta, o Andes apontou que a categoria continuará firme na greve.

Segundo o Governo, o acordo continuaria aberto para ser assinado pelas demais entidades a qualquer momento. Já o início das negociações com os servidores técnico-administrativos foi anunciado para a próxima semana.

ENTENDA A NOTÍCIA

Em reunião entre governo e entidades de professores e servidores das instituições federais, Proifes aceitou assinar acordo, enquanto as demais entidades continuam contra as propostas.

Enquete

O tema “Greve nas Universidades Federais” foi o vencedor da enquete da semana da seção Você Faz O POVO, do portal O POVO Online. Com 74,5% dos votos, foi escolhido por leitores e internautas e virou tema da cobertura ampliada nos veículos do Grupo de Comunicação O POVO ao longo da semana. As enquetes são realizadas sempre às segundas e terças-feiras. Você pode participar e votar pelo endereçowww.opovo.com.br/vocefazopovo.

Saiba mais 

Consulta pública

Consulta nacional foi feita pelo Proifes sobre propostas do Governo de 28/7 a 1º/8. Segundo o Proifes, docentes de 43 instituições federais participaram: 74% dos votos foram a favor da proposta e 25,3% contra. A professora da UFC, Maria do Céu, indicou que a consulta não foi representativa.

Samaisa dos Anjos

O Povo