Efeito Bolsa Família

O Governo Federal divulgou pesquisa que avalia impactos do programa Bolsa Família no Brasil. O repasse de recursos financeiros tem sido estratégico e tem efeito positivo sobre o aumento de renda das famílias beneficiárias que vivenciam situações de miséria. O alívio da pobreza tem impactado a vida de 13,4 milhões de famílias e o trabalho dos municípios no acompanhamento familiar tem sido fundamental.

No que se refere ao acesso aos serviços básicos de Educação e Saúde, o estudo do Governo Federal indica que os alunos beneficiários de seis a 17 anos apresentaram resultados superiores aos obtidos por crianças e jovens não beneficiários do programa, a exemplo da frequência e a progressão escolares; a taxa de repetência escolar foi reduzida.

Na Saúde, a cobertura vacinal de crianças chega a 82% e o pré-natal das beneficiárias é de 1,6 comparecimento a mais que o das outras. O combate ao trabalho infantil doméstico foi evidenciado com o decréscimo de 4,5 horas dedicadas nessa situação.

A pesquisa aponta o empoderamento feminino. O fato de a mulher ter posse do benefício colabora para que a mesma, no âmbito doméstico, tome determinadas decisões, independente da opinião dos companheiros.

Em relação ao acesso ao mercado de trabalho, há, entre os beneficiários, acentuado aumento das situações de trabalho informal, justificada pelo medo das famílias em perder os benefícios. Isso não significa que as mesmas não querem trabalhar.

As mulheres beneficiadas procuram mais trabalho que as outras e as ações de qualificação profissional e inclusão produtiva têm sido replicadas país afora.

Nos quesitos geração de renda, acesso ao trabalho e qualificação profissional dos beneficiários, o estudo aponta que a caminhada é longa. Mas algumas trilhas já foram traçadas. Mesmo com alguns desafios, Governo Federal, Prefeituras e, principalmente, as famílias têm o que comemorar.

André de Menezes Gonçalves

andre-mg@uol.com.br

Assistente social e mestrando em Planejamento e Políticas Públicas (Uece)

O POVO