Vamos precisar de tantos professores?

Já estão abertas as inscrições para qualquer estudante de qualquer parte do mundo estudar, sem pagar nada e ganhar certificado, em três das melhores universidades do mundo: MIT, Harvard e Universidade da Califórnia (veja aqui ).

Na Universidade da Califórnia –a melhor universidade pública dos Estados Unidos– pode-se fazer, por exemplo, um curso de inteligência artificial.

O interessante é que as três universidades se juntaram numa mesma plataforma (EDX) para descobrir como aprimorar o ensino a distância. Ou seja, é um laboratório. Cerca de 120 universidades já se dispuseram a entrar no projeto criado por Harvard e MIT.

Outra instituição de ponta, Stanford, também juntou uma série de universidades de excelência acadêmica (leia mais aqui ).

Aqui vai minha resposta para a pergunta do título da coluna. Com tanta informação disponível e tanta inovação, vamos precisar cada vez mais de bons professores, que saibam ensinar e pesquisar.

Mas teremos uma ótima solução contra os professores medíocres que, tenho certeza, não serão melhores (nem de longe) do que as plataformas digitais, oferecendo recursos interativos.

Ainda mais porque novos produtos, baseados no chamado ensino adaptativo, sabem o que o aluno deixou de aprender e dão orientações como se fossem um professor particular.

Tudo isso é muito mais barato ou mesmo está de graça.

*

Infelizmente somos uma nação que apenas uma minoria entende inglês. Então vai uma dica lançada pelo site Universidade: 101 links para se aprender uma língua (a lista aqui ).

*

Daí se entende, em parte, por que o ex-engenheiro do ITA, Carlos Souza, que está traduzindo muitos desses cursos para português, está liderando a votação do prêmio Cidadão Sustentável na categoria tecnologia de comunicação, criado pela Rede Nossa São Paulo. Logo depois dele, Thiago Feijão, que coloca vídeos na internet para ensinar ciências. Mais detalhes aqui ).

Gilberto DimensteinGilberto Dimenstein ganhou os principais prêmios destinados a jornalistas e escritores. Integra uma incubadora de projetos de Harvard (Advanced Leadership Initiative). Desenvolve o Catraca Livre, eleito o melhor blog de cidadania em língua portuguesa pela Deutsche Welle. É morador da Vila Madalena.