Os professores merecem respeito

O desgoverno tucano (1995-2002) foi um padrasto para o ensino superior, tendo sucateado todas as instituições federais de ensino – universidades e escolas técnicas, depois transformadas em institutos federais. O então ministro de Educação do Coisa Ruim, Renato de Souza, dizia ser inadmissível a universidade pública gratuita e, através da Lei nº 9.649, de 27 de maio de 1998, foi proibida a construção de novas escolas técnicas federais. “A expansão da oferta da educação profissional, mediante a criação de novas unidades de ensino por parte da União, somente poderá ocorrer em parceria com Estados, Municípios, Distrito Federal, setor produtivo ou organizações não- governamentais que serão responsáveis pela manutenção e gestão dos novos estabelecimentos de ensino” Lindo, não?

Com o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ensino superior foi priorizado, tendo sido criadas novas universidades e novos campi federais em todo o País. Lula não só revogou a lei, que proibia novas escolas técnicas federais, como criou 214 novas, ampliando-as com cursos de graduação e pós-graduação. Aproximadamente 90% de toda a pesquisa produzida no Brasil sai das universidades públicas. Mas os tucanos são contra investir em pesquisa, pois defendem a eterna dependência. “Pesquisa se compra em toda parte”, arrotam com arrogância os neoliberais inimigos da educação pública de qualidade.

O governo da presidenta Dilma Rousseff deu continuidade à política de valorização do ensino superior público federal, mas setores neoliberais do seu governo estão tentando travar essa expansão iniciada no governo anterior. Já escrevi alguns artigos mostrando a necessidade de destucanizar o governo. No Banco Central, foi dado um “chega pra lá” nos neoliberais, mas no Ministério do Planejamento essa assepsia precisa ser feita. É injustificável a posição intransigente da ministra Miriam Belchior não querendo negociar com os professores das 57 das 59 universidades federais em greve há mais de dois meses.

O pior é que a ministra do Planejamento e a própria presidenta Dilma Rousseff estão sendo pautadas pela velha mídia conservadora, venal e golpista que, através de editoriais, notadamente do Estadão e do Globo, estão querendo que o “governo endureça e force os grevistas retornarem ao trabalho”.

País nenhum do mundo evoluiu sem que houvesse um maciço investimento em educação, e o melhor exemplo são os chamados Tigres Asiáticos. Não negociar com os professores é retroceder e demonstrar desapreço por uma categoria que merece todo o respeito.

O Estado – CE