Educação e saúde

Nesta época de culto aos bens materiais é prazeroso saber que os educadores fincam posição em prol da formação do jovem.

Mirando os índices crescentes de analfabetos e as disparidades regionais do Nordeste se nos apresenta lícito avaliar e priorizar a saúde e, por consequência, a educação.

Já vai longe o tempo em que o médico e o professor recebiam salários compatíveis ao status almejado.

Reverter este quadro na educação nos afigura improvável e distante. Incrementar, na verdade, o acesso e incentivo ao conhecimento é obrigação da escola e do governo.

Valdemar Alves

O Povo