Brasil Carinhoso

Em maio, a presidente Dilma Rousseff lançou o Programa Brasil Carinhoso, objetivando tirar da pobreza extrema famílias com crianças até seis anos de idade e renda per capita inferior a R$ 70.

Para reforçar o atendimento das políticas públicas a essas famílias, estão programados incremento das matrículas na educação infantil (incluindo a expansão das creches públicas), ampliação da assistência social e da segurança alimentar das crianças, e acréscimo na renda de grupos familiares cadastrados no Programa Bolsa Família.

Baseado na Medida Provisória nº 570 e com meta semelhante à do ProInfância, agora renomeado, o Brasil Carinhoso tem como mérito a preocupação com a educação infantil.

Uma das primeiras ações é a construção de creches, com transferência de recursos da União para as Prefeituras. No entanto, as creches já construídas, mesmo não estando em funcionamento, sofrem com problemas que vão desde demora nas licitações até falta de dinheiro para equipamentos e contratações, o que é refletido no baixo índice de crianças matriculadas em unidades educacionais.

Questões preocupantes surgem na discussão sobre o Programa. O processo de educação proporciona resultados a longo prazo, e o que fazer com as crianças de hoje que possuem baixo rendimento escolar? Avaliando os professores como ferramenta fundamental na educação, como proceder para evitar desvios de dinheiro público e primar pela destinação de 60% dos recursos dessa nova fonte de investimento para pagamento e capacitação do magistério público?

Carlos Irineu Costa
psicólogo

Diário do Nordeste